ArtSonica – Residência Artística faz abertura oficial do projeto

0
339

Nesta quinta-feira (30/08), às 19h, será a abertura oficial do ArtSonica – Residência Artística, realizada pela Zucca Produções em parceria com Oi Futuro e Ministério da Cultura. O projeto contemplou dez artistas brasileiros com bolsas de R$ 20 mil a R$ 40 mil para passarem dois meses no Rio de Janeiro, desenvolvendo obras com linguagem multimídia no LabSonica, laboratório de experimentação sonora do Oi Futuro, no Flamengo, Zona Sul do Rio. Neste evento de boas vindas serão apresentados os dois primeiros participantes: o coletivo artístico Ricardo Dal Farra, Luiza Helena Guimarães e João Silveira, ((que virá PODE SAIR)) de Florianópolis, que desenvolverá o projeto eletroacústico “Espectros Computacionais 3D 360”, juntando artes visuais, som e realidade virtual. Já artista Manaíra Carneiro, moradora da Favela da Maré, que usará realidade virtual para abordar a violência social nos fluxos urbanos, em especial as favelas do Rio, com a obra “Perspectivas do Helicóptero”.

Ao todo, 378 empresas brasileiras de produção cultural, representando artistas ou coletivos, se inscreveram na seleção. E 10 deles foram escolhidos para passarem oito semanas no Rio de Janeiro, desenvolvendo uma pesquisa e uma obra de arte multimídia, que fará parte de uma exposição coletiva, no Centro Cultural Oi Futuro, em 2019.

A escolha foi feita por uma comissão altamente qualificada, incluindo profissionais de diferentes áreas e notório saber artístico, formada

por: Carlito Azevedo (literatura), Chico Dub (música), Diane Lima (moda e artes urbanas), Floriano Romano (artes visuais), Ivan Sugahara (artes cênicas); além de representantes do Oi Futuro e da Zucca Produções. Foram selecionados um artista das cidades de Brasília, Belo Horizonte, Florianópolis, Porto Alegre, Recife, São Paulo e Teresina; e três do Rio de Janeiro. Eles desenvolverão as suas criações no LabSonica, laboratório de experimentação sonora do Oi Futuro.

Entre os escolhidos está o artista Ismael Monticelli, de Brasília, que vai trabalhar com artes visuais, videoinstalação, fotografia, arte sonora, urbanismo e literatura no projeto “Um memorial para um pagamento”, a partir do nascimento e destruição do Morro do Castelo.

De Recife, o Artsonica terá o artista Yuri Silvestre Bruscky, que utilizará sons urbanos, arte sonora e sensorial para desenvolver a obra “Heterotopia”, com a instalação de uma poltrona de massagem com seu sistema de funcionamento hackeado para responder ao input de ondas sonoras. Vindo de Teresina, Brayann Ivanovick vai combinar moda, performance e arte audiovisual no projeto “Aurora Cassino do Sol”. O resultado será uma coleção de moda contemporânea com 12 looks em forma de videoarte e realidade virtual.

De Florianópolis virá o coletivo artístico Ricardo Dal Farra, Luiza Helena Guimarães e João Silveira, que desenvolverá o projeto eletroacústico “Espectros Computacionais 3D 360”, utilizando artes visuais, som e realidade virtual. O Rio Grande do Sul também estará presente, com o artista Gabriel Muniz, de Porto Alegre, que unirá artes sonoras e visuais para a realização do projeto “OuvidoChão Cartas Quilombolas”.

Já o mineiro Flávio Renegado, de Belo Horizonte, vai trabalhar com samples e vozes, mixagens, remixagens e interações no projeto “Favelize Vol. 1 – O Verbo Favelizar”. São Paulo será representado pela artista Fabiane M. Borges que, por meio de receptores para captação de ondas eletromagnéticas cerebrais, vídeo mapping, captura e manipulação digital e analógica de efeitos sonoros, desenvolverá a obra “Machina De Contatos Ekstatikós”.

Três propostas pensadas por artistas do Rio de Janeiro garantiram espaço no LabSonica. O primeiro é o “Aliendígena 2042”, da dupla Gabriela Carneiro da Cunha e Eryk Rocha, que utilizará artes visuais e audiovisual para desenvolver uma vestimenta inspirada nas comunidades ribeirinhas e Rio Xingu. O segundo é o “Perspectivas do Helicóptero”, de Manaíra Carneiro, originária da Favela da Maré, que utilizará realidade virtual para abordar a violência social nos fluxos urbanos do Rio. Por fim, Clara Kutner trabalhará seu projeto “Som – Uma coreografia para surdos”, uma experiência sensorial a partir de vibrações da dança flamenca reproduzidas por alto-falantes de grande potência.

O ArtSonica – Residência Artística manteve as inscrições abertas por quase dois meses – entre maio e julho deste ano – por meio do site www.artsonica.com.br . O desafio lançado foi aliar uma pesquisa artística à criação de uma obra de arte multilinguagem. Agora, os dez escolhidos receberão uma bolsa que pode variar de R$ 20 mil a R$ 40 mil, dependendo das características de cada proposta, para cobrir todos os custos do processo criativo, incluído a estadia na cidade, entre agosto/2018 e junho/2019.

A cada dois meses – durante oito semanas seguidas, dois artistas virão realizar as residências e receberão mentoria com profissionais de excelência e poderão utilizar os equipamentos do recém-inaugurado LabSonica, laboratório de inovação e criatividade com estúdios de som e vídeo, coworking e ambiente para oficinas e ensaios. O projeto também disponibilizará técnicos de estúdio, e equipes de produção de conteúdo para redes sociais e assessoria de imprensa para que divulguem os trabalhos em desenvolvimento. Os residentes exibirão etapas de sua criação e pesquisa para a população em diversas ocasiões, sempre com entrada franca; transmissões na web em tempo real; palestras (PapoSonica), nas qual os artistas podem convidar um especialista para falar sobre um tema ligado ao projeto ou assumir essa tarefa; apresentação de seus processos criativos.

Ao final das residências, todos deverão entregar uma obra resultante do seu trabalho no LabSonica, que fará parte de uma exposição coletiva, programada para acontecer no Oi Futuro, no Flamengo, em agosto e setembro/2019.