GRES Acadêmicos de Vigário Geral divulga a Sinopse  do enredo Carnaval 2020

0
97

A Escola de Samba Acadêmicos de Vigário Geral divulgou a sinopse do 
enredo que apresentará no carnaval 2020: “O Conto do Vigário”, de 
autoria e desenvolvimento do carnavalesco Rodrigo Almeida.

A Acadêmicos de Vigário Geral será a 1ª agremiação a desfilar pela 
Série A, da Lierj, na Marquês de Sapucaí, na sexta-feira de carnaval 
(21/02/2020).

Confira a sinopse.

GRES Acadêmicos de Vigário Geral – Carnaval 2020

Enredo: O CONTO DO VIGÁRIO

Eu sou uma espécie de farsa encenada
Uma piada recontada em que a graça chegou ao fim
Mas que muitos ainda cismam em continuar a sorrir.
Sou a palavra refeita, marota e travessa
Tão louca quanto os delírios que contaram sobre mim.

Eu já fui parte do imaginário numa quimera medieval
De Paraíso a Eldorado através de lendas me chamaram.
Há quem ainda acredite nas frases que descreviam
De forma impactante exuberâncias, delírios e encantamentos
Do que eu reservava.
Entre aves que eram anjos a selvagens sem vergonha
Pergunto-me,meu nascimento, quando se deu?
Fui batizado à mercê da sorte ou da morte
Dos que tanto me cobiçaram, seja em nome da fé ou de um rei.
Por outras vezes, fui o ideal de riqueza
Sendo enfim, a solução mais pobre para os problemas nobres.
Mas ao me reconhecerem de fato e descreverem em longas páginas
Que nada de valioso se viu ao aportarem em mim
Me tornei apenas a terra avistada
Que alguém um dia “descobriu” e que por anos não quis mais saber.

Sou aquele conto arremedado de sonhos e quimeras
A chance de toda gente crescer, onde se plantando tudo daria
Mas fui explorado, saqueado, acrescido, garimpando…
Poderia ter sido um sonho, mas a realidade ainda me dói demais
Sou a terra que aprisionava quem sonhava com a liberdade.
Fui a terra dos tolos que vieram em busca do reluzente vil metal.
Como um santuário de beleza, riqueza e prosperidade
Assim fui vendido, exportado, divulgado e enaltecido.
Passei séculos testemunhando os contos que contavam por aí
Nacionalizando vigaristas e trapaceiros
Naturalizando mentiras e meias verdades
E validando um jeitinho que parece não ter mais conserto.

Muitos são os contos, desde a colônia até a independência
Passando pelo sonho de liberdade que se realizou.(Será?!)
Sou uma espécie de coisa pública nascida de golpes em golpes
Em que uma nova era prometida sempre camufla o que já é antigo
No moderno jeito de se fazer política.
Aliás, a política sozinha é um conto infinito de possibilidades
Que minha gente não cansa de profanar e reinventar
Caindo no conto de requentadas promessas que lhes convém.
Vi o homem criar e recriar o modelo do que eu me tornaria.
E ainda assim continuo a ser aquele imaginário delirante
Com ares de novidade e renovação que algum ufanista descreveu.

Sou também um bom conto para o povo de Vigário.
Lá, ele testemunha a realidade de duras mazelas que saltam à face
Refutando as imagens estampadas no cartão postal
Onde os corações de mães ainda se solidarizam
Em busca de alento, respostas, justiça!
E que são apenas representantes de tantas outras realidades
Que contrariam quem diz ser um conto a desigualdade social.

Porém, o mais interessante, o conto por vezes delirante
É o que se constrói sobre um fio de esperança
Em que se haveria uma chance remota de eu dar certo
Seja por sorte ou por viver à espera de alguém a me guiar
E que, milagrosamente, nos salvaria.
Mas sem deixar de ser a caricatura do inzoneiro mulato
Aquele que pousa à sombra do coqueiro
Recordando o paraíso de outrora.
Sou a terra das palmeiras, das rasteiras
Das mil maneiras de enganar e de se dar bem.
E neste auto engano me pinto em aquarela
Me retrato através da beleza da minha gente e do meu som
Em que até o vigarista mais esperto é capaz de acreditar.

É isso aí meu povo!
Se o conto do vigário é uma mentira que gera nos outros
A crença em uma verdade legítima
Sou a materialização perfeita daquilo em que se faz acreditar.
Sou o Brasil! Esse grande conto
Contado e atualizado, constantemente!
E hoje, no palco da fantasia, no delírio da alegria
Em que dizem ser possível esquecer
O que faz na minha gente tanto mal
Cá estou eu a fazer parte de mais um conto do seu carnaval.

Enredo: Rodrigo Almeida
Pesquisa e texto: Anderclébio Macêdo