Nota de Esclarecimento: Prefeitura do Rio de Janeiro nega reabertura de comércio na cidade e reforça pedido de isolamento social

0
185

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, nega veementemente que vá reabrir o comércio da cidade. Os únicos estabelecimentos que poderão voltar a funcionar a partir de sexta-feira (27/03), sem aglomerações, são as lojas de conveniência, porque vendem alimentos e produtos de limpeza e higiene, e as de material de construção, por oferecerem equipamentos de proteção individual, necessários à população neste momento em que vivemos. Nenhum outro tipo de lojista está autorizado a abrir as portas e, nos próximos 15 dias, a orientação é para seguir rigorosamente o período de afastamento social.

Na manhã desta quarta-feira (25/03), Crivella já havia enfatizado que as pessoas devem ficar em casa, cumprindo a determinação de afastamento social, principalmente os idosos. Ele também deu à população uma mensagem de otimismo, destacando que as medidas estão surtindo efeito e que, se todos continuarem “fazendo o dever de casa”, a cidade poderá voltar, aos poucos, às atividades normais.

– Temos que manter o afastamento social de maneira sagrada nos próximos 15 dias. É com esse foco que vamos conseguir retomar, aos poucos, nossas atividades – destacou Crivella.

O prefeito reforçou que idosos com comorbidade não podem sair de seu quarto, de sua casa.

– É a nossa maior preocupação, sobretudo nas comunidades, sobretudo na Zona Sul e na Barra da Tijuca. Se as pessoas continuarem adotando as medidas que foram recomendadas, esperamos que os números de infectados não cresçam. Os números é que vão ditar nossas ações – acrescentou.

Crivella agradeceu o apoio da população por cumprir as regras do afastamento social. E afirmou que os próximos 15 dias serão muito importantes para conter o avanço do contágio do novo coronavírus:

– Não é uma decisão apenas do prefeito, mas de toda nossa comunidade científica, que foi consultada. Se mantivermos o foco, poderemos voltar com nossa atividades econômicas e até com as aulas – informou.

Lojas de conveniência e de material de construção poderão funcionar

Crivella anunciou que mudará o decreto com restrições ao funcionamento do comércio na cidade. A partir dos primeiros minutos de sexta-feira (27/03), lojas de conveniência dos postos de combustível poderão voltar a funcionar, desde que sem aglomerações. A permissão será concedida também aos comerciantes que vendem material de construção.

– No caso das lojas de conveniência, não vai poder consumir no local: compra, paga e vai embora. Em relação às lojas de material de construção, temos muitas obras na cidade, inclusive adaptação de hospitais, e precisamos desse setor estratégico, que também terá regras para voltar à sua atividade – explicou Crivella.

Cestas básicas

A Prefeitura comprou cestas básicas para distribuir a quem ficou sem renda devido ao afastamento social. A primeira leva de 20 mil vai para taxistas autônomos (que pagam diárias) e vendedores de rua cadastrados no programa Ambulante Legal.

– A Secretaria de Saúde também encomendou cestas básicas, assim como a Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos. Para as crianças pobres, as crianças do Bolsa Família, as do Cartão Carioca, serão distribuídas nos próximos dias 50 mil cestas básicas – informou Crivella.

Idosos em hotéis

O prefeito disse que três hotéis já estão disponíveis para receber idosos que vivem em comunidades com muita aglomeração. Nenhum deles com Covid-19, mas todos dentro do grupo de alto risco para contaminação. Serão hospedadas inicialmente 300 pessoas nessas três unidades, localizadas na Barra da Tijuca, em Jacarepaguá e na Gamboa. A Prefeitura está em contato com outros hotéis, para chegar ao total de dez e abrigar mil idosos. Essas pessoas estão sendo selecionadas e convidadas a se hospedar.

– São idosos com alto risco, que moram nas comunidades da Zona Sul, epicentro da nossa crise, onde temos o maior número de casos de  infectados – acrescentou Crivella.