Orquestra Sinfônica Brasileira dá início à Série Beethoven, em homenagem aos 250 anos do compositor alemão

0
204
Tobias Volkmann, regência JOHANNES BRAHMS Abertura Trágica, Op. 81 RICHARD WAGNER Idílio de Siegfried FELIX MENDELSSOHN Sinfonia Nº 5, Op. 107 - Reforma

A genialidade de Ludwig van Beethoven será explorada no ciclo de concertos que começa no próximo dia 15 de outubro, dentro da Temporada 2020 da Orquestra Sinfônica Brasileira. Patrocinada pelo Bradesco, a Série Beethoven é uma celebração pelos 250 anos do compositor alemão e traça um panorama de sua obra, passando por diferentes fases e formações. Ao todo, serão cinco apresentações virtuais, transmitidas até o fim do ano pela plataforma digital ‘Bradesco Cultura’ (cultura.bradesco).

Recém lançado, o ‘Bradesco Cultura’ reúne conteúdo relacionado a diversas iniciativas culturais que contam com o patrocínio do banco, divididas em cinco pilares: Artes Visuais, Concertos, Entretenimento, Eventos Regionais e Teatros e Musicais. O projeto visa reforçar o compromisso do banco em democratizar a arte e a cultura e também é uma forma de levar conteúdos regionais para todo o Brasil.

A Série Beethoven estreia com o “Sexteto para Sopros”, composto em 1796, mas tocado pela primeira vez em 1805. Na época do lançamento, a peça foi elogiada pelos críticos por suas lindas melodias e novas e surpreendentes ideias do compositor. Na sequência, o público ouvirá o “Duo para violino e fagote nº3”. Composto no início da carreira de Beethoven, foi originalmente concebido para clarineta e fagote e fazia parte das apresentações de instrumentos de sopro durante os banquetes do arcebispo de Colônia, grande incentivador do compositor.

O segundo movimento do “Quarteto de cordas nº 1” é a terceira peça do programa. Composto entre 1798 e 1800, foi inspirado na cena do túmulo de “Romeu e Julieta” de Shakespeare, expressando, portanto, sentimentos trágicos. Este é o segundo quarteto composto na época considerada inicial de Beethoven, e nele já se percebe a música extraordinária que viria a seguir.

Fechando o concerto, uma das obras mais célebres de Beethoven: a “Sinfonia nº 3”. Também conhecida como “Eroica”, ganhou arranjo inédito do músico Jessé Sadoc, especialmente criado para a ocasião. A Terceira Sinfonia de Beethoven, composta em 1803/1804, é um marco na história da música por ser frequentemente citada como sendo o início do período romântico, devido à sua carga emocional. O nome “Eroica” vem da intenção inicial do compositor de dedicar essa sinfonia a Napoleão Bonaparte.

 

A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA:

 

Fundada em 1940, pelo maestro José Siqueira, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 80 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia.

Responsável por revelar talentos como Nelson Freire, Arnaldo Cohen e Antônio Menezes e pioneira na criação de projetos de democratização da música de concerto, como o Aquarius e os Concertos da Juventude, a OSB chega aos 80 anos com fôlego para levar ao público uma temporada especial e comemorativa, com destaque para a música brasileira e os artistas nacionais, tendo sua própria história como fio condutor da programação.

Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura.

 

PROGRAMA:

Ludwig van Beethoven

 

Sexteto para Sopros Op.71

I. Adagio – Allegro

 

Duo para violino e fagote

 

Quarteto para cordas nº 3

II. Adagio

 

Sinfonia nº 3 – Eroica (arr. Jessé Sadoc)

 

 

SERVIÇO:

OSB – Série Beethoven 250 anos I (concerto on-line)

Dia 15 de outubro de 2020, às 19h

Transmissão: cultura.bradesco

Acesso gratuito