Protagonismo feminino e música negra são as bases do MIMO Festival

0
884

Se aproximando da sua 50º edição, acumulando 16 anos de estrada e mais

de um milhão e setecentas mil pessoas de público, o MIMO, festival

internacional de música inteiramente gratuito, chega em 2019, mais uma

vez, com artistas de peso de diversos cantos do mundo. Este ano, de 22 a

24 de novembro – semana da Consciência Negra, o MIMO Festival teve como

palco, pela primeira vez, a Praça das Artes, o Theatro Municipal de São

Paulo, o Centro Cultural São Paulo e o ícone da arquitetura religiosa da

cidade, o belo Mosteiro de São Bento, na região central.

No Rio de Janeiro, o MIMO também ocupará pela primeira vez a Fundição

Progresso, espaço que acaba de ser tombado como Patrimônio Cultural

Imaterial do Rio, em reconhecimento à sua importância arquitetônica,

histórica e cultural; o Museu da República e o Cine Odeon, de 29 de

novembro a 01 de dezembro. Idealizado por Lu Araújo, que também assina a

curadoria, o festival propõe destaque para a diversidade de estilos,

foco na música negra e muita representatividade feminina, tendo 60% da

programação 2019 composta por mulheres, questão cada vez mais importante

para o festival.

“Sempre afirmo que o MIMO é um festival feminino, de liderança e alma

feminina. É democrático, inclusivo, inovador, multicultural e de

vanguarda.”, explicita Lu Araújo. Sua extensa programação está voltada

para a universalidade da música e reúne shows, filmes, poesia,

workshops, palestras e um programa educativo de alto nível. Além de

promover o turismo cultural e o incremento da economia de belas cidades

do Brasil e de Portugal.

Entre o MIX de estilos, sempre valorizando o intercâmbio cultural, sons

do rap, blues, pop, rock, fado e muitos outros ritmos irão marcar

presença. Compondo o time de artistas, nomes de notoriedade e

diversidade ocupam a programação que possui line-up diferente nas

cidades palco. São eles: diretamente da África Ocidental chegam ao

Brasil Amadou & Mariam, o aclamado casal de artistas cegos do Mali, para

apresentar a singular combinação de ritmos tradicionais africanos ao

blues, pop e rock e que os alçou como referência mundial da música

pop-africana. Amadou & Mariam já tiveram como produtores musicais

artistas como Mano Chao e Damon Albarn, vocalista das bandas Blur e

Gorillaz e se apresentam no Brasil com exclusividade no MIMO Festival

São Paulo (23/11) e Rio de Janeiro (30/11).

Também da África, agora da região do deserto do Saara, a cantora e

compositora Noura Mint Seymali (SP e RJ) acompanhada da inseparável

“ardine”, instrumento que lhe ajudou a ganhar fama internacional,

semelhante à harpa e exclusivamente tocado por mulheres no seu país. Mas

não espere nada tradicional, Noura é a grande estrela contemporânea da

Mauritânia e a sua música apresenta uma fusão psicodélica intrigante.

De Portugal vem Marta Pereira da Costa (SP e RJ), a primeira e única

mulher profissional da guitarra portuguesa a nível mundial. Da prata

nacional, a cantora e compositora baiana Xenia França (SP e RJ),

referência na propagação da cultura Afro-brasileira e de empoderamento

negro e feminino, mostrará porque foi indicada ao Grammy Latino 2018

pelo seu álbum de estreia, em duas categorias. De São Paulo, o rapper

Edgar (SP e RJ), apresenta “Ultrassom”, disco que chamou a atenção do

público, cheio de pulsações eletrônicas, rimas ácidas e estilos

variados. Artista brasileira reconhecida na cena musical por suas

pesquisas e melodias que carregam a identidade, feridas e tradições

judaicas, Fortuna se apresenta em São Paulo acompanhada pelo Coro de

Monges Beneditinos do Mosteiro de São Bento e o no Rio de Janeiro com o

seu trio.

Dois grandes instrumentistas atuam no MIMO 2019: Egberto Gismonti

Quarteto (SP), um dos mais importantes nomes da música instrumental

brasileira no mundo e Hamilton de Holanda (RJ), mantendo a tradição do

festival em oferecer uma programação eclética e que oferece sempre lugar

de destaque para a música instrumental.

Representando o melhor da música brasileira, o irreverente Jards Macalé

(RJ), que concorre ao Grammy Latino 2019 na categoria de “Melhor Álbum

de Música Popular Brasileira”, apresenta o seu elogiadíssimo álbum

“Besta Fera”. A dupla Ana Oliveira & Sergio Ferraz convidam Marcos

Suzano (RJ) para o lançamento do CD “Carta de Amor e outras histórias”,

que contou com a colaboração de artistas, como Roberto Frejat e Egberto

Gismonti e o próprio Marcos Suzano.

Garantindo lugar para as novidades musicais, o MIMO Festival recebe a

instrumentista Luísa Mitre Quinteto (RJ), artista vencedora do Prêmio

MIMO Música Instrumental 2018. A jovem mineira possui sonoridade marcada

pelo equilíbrio e refinamento técnico, oscilando suas composições entre

a classe da música de concerto e o balanço da música popular brasileira.

Chico da Tina (SP), foi o artista vencedor da primeira edição do Prêmio

MIMO de Música, em Portugal e um nome em ascensão em seu país. Com uma

proposta meta-irônica do trap subvertido ao linguajar e costumes do

universo da região do Minho, o artista contrapõe os estilos

norte-americanos e lusitanos desafiando os limites do politicamente

correto com um corajoso atrevimento lírico em suas músicas.

Investindo no contexto dos sistemas de som característicos da cultura

Jamaicana e na promoção da linguagem do reggae como expressão contra a

opressão sobre as questões de gênero, o coletivo de DJs Feminine Hi-Fi

(SP), é focado na valorização da mulher e traz um formato de

discotecagens com intervenções de cantoras, singjays e MCs no microfone.

Já o DJ Montano (SP e RJ), é residente do MIMO desde 2015, promove em

seus sets uma conversa entre a música brasileira e de outras partes do

mundo. Ele também assina todas as intervenções de vídeografismos do

festival.

  Trazendo educação junto à arte, o MIMO Festival oferecerá diversas

palestras e workshops ministrados por artistas da programação. Hamilton

de Holanda vai discorrer sobre o tema “Improvisação – Oito Hábitos

Criativos”, Marcos Suzano sobre “Pandeiro”. A jornalista e pesquisadora

especializada em música clássica, Camila Fresca aborda “Mulheres na

Música: uma história sob o ponto de vista do gênero”. Fortuna irá

palestrar sobre o estilo “Diversidade e diálogos na música do mundo”, a

renomada portuguesa Marta Pereira da Costa dará um workshop sobre “O

feminino na música instrumental”, o rapper paulistano Edgar fará um

sobre o tema “Confecção de máscaras-personas”, e a cantora gaúcha Grazie

Wirtti, que participa do MIMO se apresentando com o Egberto Gismonti

Quarteto, ministra o workshop “Canto sem fronteiras”.

Completando a programação educativa, o Fórum de Ideias oferece palestras

com a dupla Amadou & Mariam sobre o tema “O pop-africano no Ocidente”

(SP e RJ), com Xenia França  sobre a “Representatividade feminina negra

nas artes” (SP) e a mauritana Noura Mint Seymali (SP e RJ), contará ao

público a história da música e cultura de seu país no painel “Vozes

femininas na tradição Griot Africana”.

  Seguindo a tradição, a adorada Chuva de Poesia desta edição terá como

tema “Amor em Versos”, homenageando o amor em suas diversas formas. Com

poesias de Arthur Rimbaud, Mário de Sá-Carneiro, Jorge de Sena, Nicolas

Behr, Oswald de Andrade, Heine, Carlos Drummond de Andrade, Gregório de

Matos, Bocage, Fernando Pessoa, Vinicius de Moraes, Sophia de Mello

Breyner Andresen, Pablo Neruda, Maria de Sá Carneiro, José Saramago,

Carlos Queiroz, Ferreira Gullar, Florbela Espanca, Luís de Camões, Mário

Quintana, Cora Coralina, Cecília Meireles e Chico Buarque, serão

espalhados versos de diferentes épocas, estilos e nacionalidades,

colocando em evidência esse sentimento leve, bonito, intenso e cheio de

enigmas. Idealizada pelo poeta, artista gráfico e editor mineiro

Guilherme Mansur, responsável pela curadoria dos poemas, a Chuva de

Poesia ocupa Ouro Preto desde 1993 e foi incorporada à programação do

MIMO Festival em 2013.

Com formato ímpar, que conquistou plateia cativa, o Festival MIMO de

Cinema, dirigido pela cineasta Rejane Zilles, traz filmes onde a música

é tema central. Em São Paulo, será realizado no Centro Cultural São

Paulo e no Rio de Janeiro no Cine Odeon.  Foram selecionadas 26

produções inéditas no circuito comercial, nos formatos de curta, média e

longa-metragem. Serão exibidas obras como “Dorival Caymmi – um homem de

afetos”, de Daniela Broitman, que traz uma viagem pelo universo do

cantor e compositor, “Ilú Obá De Min – Akotirenes Yibi Das Mulheres

Quilombolas”, de Beto Brant, sobre a luta das mulheres quilombolas,

“Viva Alfredinho!”, do histórico bar Bip-Bip, de Roberto Berliner, “O

Astronauta Tupi”, de Pedro Bronz, sobre Pedro Luís e “Ele era assim: Ary

Barroso”, que conta a história de um dos maiores compositores

brasileiros por meio de arquivos de áudio narrados pelo próprio artista,

e muito mais.

  Acumulando cinquenta edições, 16 anos de estrada e mais de um milhão e

setecentas mil pessoas de público, o MIMO, festival de música

inteiramente gratuito, idealizado e realizado pela experiente empresária

Lu Araújo (que também assina a curadoria).

“Sendo o MIMO um festival oferecido gratuitamente ao público, só

conseguimos manter a sua filosofia e conceito porque contamos com

patrocínios para a sua realização, não podemos deixar de destacar a

importância da parceria de longa data com o Bradesco. Nosso orgulho é

ainda maior quando percebemos sua importância para tantos outros

projetos culturais. É imprescindível ter quem acredite no MIMO Festival,

quem acredite no Brasil e nos ajude a fazê-lo acontecer, tendo sempre a

qualidade como norte”, destaca Lu Araújo.

O MIMO Festival já realizou mais de 475 concertos, como as apresentações

memoráveis dos artistas Philip Glass, Herbie Hancock, Chick Corea, Jack

DeJohnette, John Scofield, Jacob Collier, Goran Bregovic, Emir

Kusturica, Pat Metheny, Buena Vista Social Club, Gotan Project e, ainda,

os nacionais Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, Nelson Freire, Naná

Vasconcelos, entre muitos outros grandes nomes. Entre os filmes, “Chico

Science, Caranguejo Elétrico”, ‘Eu sou Carlos Imperial’, “Mussum – Um

filme do Cacildis”, “Legalize já – Amizade nunca morre”, “Com a Palavra,

Arnaldo Antunes” passaram pelas telas do festival nas ultimas edições do

Brasil e Portugal.

Após o quarto ano em Amarante, Portugal, o MIMO já é apontado como um

dos principais festivais do país e reuniu um público de mais de 80 mil

pessoas na recente edição de 2019. O sucesso do seu posicionamento em

terras portuguesas valeu a distinção do Iberian Festival Awards, como

“Melhor Infraestrutura de Festivais em Portugal”, em 2017 e 2018.

Programação Completa Rio de Janeiro – MIMO FESTIVAL 2019:

EVENTO GRATUITO

Protagonismo feminino e música negra são as bases desta edição do MIMO

Festival, que oferece programação internacional gratuita em locais

históricos, com 40 atividades durante três dias.

SOBRE O MIMO: Acumulando cinquenta edições, 16 anos de estrada e mais de

um milhão e setecentas mil pessoas de público, em cidades como Olinda,

Paraty, Ouro Preto, Amarante (Portugal), o MIMO é festival de música

inteiramente gratuito, idealizado e realizado pela experiente empresária

Lu Araújo (que também assina a curadoria). O MIMO Festival já realizou

mais de 475 concertos, como as apresentações memoráveis dos artistas

Philip Glass, Herbie Hancock, Chick Corea, Jack DeJohnette, John

Scofield, Jacob Collier, Goran Bregovic, Emir Kusturica, Pat Metheny,

Buena Vista Social Club, Gotan Project e, ainda, os nacionais Egberto

Gismonti, Hermeto Pascoal, Nelson Freire, Naná Vasconcelos, entre muitos

outros grandes nomes.

Endereços:

Fundição Progresso – R. dos Arcos, 24 – Centro, Rio de Janeiro – RJ,

20230-060

Museu da República – R. do Catete, 153 – Catete, Rio de Janeiro – RJ,

22220-000

Parque Das Ruínas – R. Murtinho Nobre, 169 – Santa Teresa, Rio de

Janeiro – RJ, 20241-050

Crab – Centro Sebrae De Referência Do Artesanato Brasileiro – Praça

Tiradentes, 69-71 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20060-070

Cine Odeon Net-Claro – Centro-Cultural Luiz Severiano Ribeiro – Praça

Floriano, 7 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20031-050

QUINTA, DIA 28 DE NOVEMBRO

Cinema (Cine Odeon):

18h30 – RÁDIO S.AMB.A.DOC – UMA VIAGEM AO CENTRO DO MANGUE | André

Almeida | DOC | 36′ | 2019 | SP | Livre | Sinopse: O que existe depois

da Utopia? O documentário aborda o período logo após a morte de Chico

Science, fundador da Nação Zumbi e um dos mentores do movimento

Manguebeat, através da feitura do álbum Rádio S.AMB.A, lançado em 2000

pelo selo YB Music e relançando em vinil pelo selo Marafo Records, em

2019.

18h30 – A HISTÓRIA DE UM SILVA | Direção: Marcelo Gularte e Felipe

Bretas | DOC | 1h17 | 2019 | RJ | livre | Sinopse: A vida e a obra do MC

BOB RUM – referência do Funk carioca e criador do hino: RAP DO SILVA

20h30 – VIVA ALFREDINHO! | Direção: Roberto Berliner | DOC | 16′ | 2019

| RJ | livre | Sinopse: Com quase 50 anos, o Bip Bip se transformou num

patrimônio cultural carioca, local para tocar e ouvir samba e choro,

discutir futebol e política. O bar refletia o espírito do dono, o

emblemático Alfredinho, que construiu sua família ali, unindo pessoas de

diferentes gerações. O filme é um registro afetuoso do seu velório, que

começou na mesa do bar e tomou o cemitério em um sábado de carnaval.

20h30 – O ASTRONAUTA TUPI | Direção: Pedro Bronz | DOC | 1h22 | 2019 |

RJ| livre | Sinopse: O filme percorre a carreira de Pedro Luís, artista

que teve uma trajetória única dentro do universo da MPB e demonstrou seu

talento em diversas frentes musicais, através de seus grandes sucessos.

Da Zona Sul à Zona Norte, O ASTRONAUTA TUPI atravessa com sua música,

história e poesia a cidade do Rio de Janeiro, sua verdadeira inspiração

poética.

SEXTA, DIA 29 DE NOVEMBRO

Programa Educativo (Museu da República)

10h – Marta Pereira Da Costa :: O Feminino Na Música Instrumental

10h – Fortuna :: Diversidade E Diálogos Na Música Do Mundo

14h – Ana De Oliveira E Sergio Ferraz :: Música Armorial – Concerto-Aula

16h – Hamilton De Holanda :: Improvisação: Oito Hábitos Criativos

Concertos (Parque das Ruínas):

18h30 – MARTA PEREIRA DA COSTA| PORTUGAL

Ela é a primeira e única guitarrista profissional de fado a nível

mundial. Dominando com maestria o instrumento, com dedilhados

hipnotizantes e melodias que mesclam os tradicionais acordes do fado com

sonoridades da música clássica, do jazz e da world music, suas

composições e interpretações recebem o seu toque único, delicado e

feminino. Iniciando sua formação musical ainda criança, a partir dos

oito anos começou a estudar guitarra clássica e aos 18 se aventurou no

universo da guitarra portuguesa, quando começou a frequentar o “Clube do

Fado”, em Lisboa, ao lado de Mário Pacheco e Fontes Rocha. Paralelamente

a seu percurso na música, se formou em Engenharia Civil, mas deixou de

lado a profissão para se dedicar exclusivamente à sua paixão gravando,

em 2011, o CD “Fados de Amor”, o primeiro da história do fado onde o

instrumento é interpretado por uma mulher. Em 2014, conquistou o “Prémio

Instrumentista”, promovido pela Fundação Amália Rodrigues e, dois anos

depois, lançou seu primeiro álbum solo reunindo composições próprias e

tributos às suas referências musicais. Após um concerto inesquecível

realizado no MIMO Festival Amarante (Portugal), em 2017, Marta Pereira

da Costa vem ao Brasil nos mostrar que o seu talento fez da guitarra

portuguesa um prolongamento da sua alma portuguesa.

20h – HAMILTON DE HOLANDA

Hamilton de Holanda começou a tocar seu bandolim aos 5 anos de idade e

ganhou destaque na cena musical brasileira em 1995, quando foi

considerado o melhor intérprete no II Festival do Choro do Rio de

Janeiro. Sua a habilidade com o instrumento é incontestável: o exímio e

premiado bandolinista possui uma consistente carreira internacional e

conquista público por onde passa com improvisações, regravações e

composições que dão forma à repertórios de tirar o fôlego. Em 2016,

ganhou o Grammy Latino na categoria “Melhor Álbum Instrumental” e sua

grande paixão pela música brasileira e a busca da espontaneidade nas

melodias o levou a firmar diversas parcerias de peso com artistas como

João Bosco, Pablo Lapidusas e Stefano Bollani, que também já se

apresentaram ao lado do artistas em outras edições do MIMO, no Brasil e

em Portugal. Esse ano, Hamilton retorna à programação do MIMO Festival

com seu novo show solo “Eu e vocês”, com um repertório variado e baseado

em sugestões do público, dando ainda mais destaque para o inigualável

som de seu bandolim.

Cinema (Cine Odeon):

18h30 – BAIÃO DESTEMPERADO | Direção: Pedro Vilo | ANI | 1’| 2019 | PR |

Livre | Sinopse: Dois jovens amigos flautistas viajam para um baião onde

tocarão destemperadamente afinados.

18h30 – TUDO PELA MÚSICA – OS 20 ANOS DA DECK | Direção: Daniel Ferro |

DOC | 1h48 | 2018 | RJ | Livre | Sinopse: O filme conta a história dos

20 anos da gravadora Deck e da família que a criou. O documentário cobre

a trajetória da música independente no Brasil com mais de 60 artistas

entrevistados, executivos da indústria fonográfica, compositores e

produtores.

20h30 – ELE ERA ASSIM: ARY BARROSO | Direção: Angela Zoé | DOC | 17′ |

2019 | RJ | Livre | Sinopse: O filme conta a história de um dos maiores

compositores brasileiros por meio de arquivos de áudio narrados pelo

próprio artista e regravações de suas composições por jovens talentos da

MPB. Conta com a participação especial de Ney Matogrosso, que além de

falar sobre música, interpreta também os clássicos “Rio de Janeiro” e

“Camisa Amarela”.

20h30 – O BARATO DE IACANGA | Direção: Thiago Mattar | DOC | 1h33 | 2019

| SP | 10 anos | Sinopse: Uma fazenda familiar no interior de SP foi

palco do mais lendário festival ao ar livre da música brasileira: o

Festival de Águas Claras. Entre as décadas de 70 e 80, o evento contou

com importantes nomes da nossa música, como Gilberto Gil, Hermeto

Pascoal, Luiz Gonzaga, Sandra de Sá, Raul Seixas e apresentou uma

incrível performance de João Gilberto cantando

Wave para um público de quase cem mil pessoas. Produtores e artistas,

apoiados por raras imagens de arquivo, conduzem esse documentário

musical.

SÁBADO – 30 DE NOVEMBRO:

Etapa Educativa (Museu da República)

10h – Grazie Wirtti :: Canto Sem Fronteiras

10h – Edgar :: Confecção De Máscaras-Personas

14h – Marcos Suzano :: Pandeiro

Fórum De Ideias (Crab – Centro Sebrae De Referência Do Artesanato

Brasileiro):

11h – Noura Mint Seymali (Mauritânia) :: Vozes Femininas Na Tradição

Griot Africana

15h – Amadou & Mariam (Mali)  :: Música E Nação: O Pop-Africano No

Ocidente

Concertos (Parque das Ruínas)

16h – Luísa Mitre Quinteto

Pianista natural de Belo Horizonte, Luísa Mitre foi vencedora do Prêmio

MIMO de Música Instrumental 2018 ao lado de seu Quinteto. Com uma

sonoridade marcada pelo equilíbrio e refinamento técnico, a artista

oscila suas composições entre a classe da música de concerto e o balanço

da música popular brasileira, sempre trazendo elementos particulares

para suas melodias. Formada em Piano, Música Popular e Mestre em

Performance Musical pela UFMG, desenvolve uma constante pesquisa sobre a

linguagem da MPB em seu instrumento e ministra oficinas sobre o piano

brasileiro e teoria musical. Em 2019, tornou-se a primeira mulher a

conquistar o Prêmio Marco Antônio Araújo com seu CD autoral “Oferenda”.

Com um show homônimo ao seu CD, lançado em 2018 pelo selo Savassi

Festival, Luísa Mitre Quinteto se apresenta no MIMO Festival com

composições que refletem as principais referências musicais da pianista

em ritmos como o choro, forró, samba-choro e samba-de-roda e arranjos

cuidadosamente elaborados para a formação do grupo que conta, além do

piano de Luísa, com flauta, baixo, bateria e vibrafone. Buscando

valorizar e dar visibilidade à produção autoral feminina, sobretudo na

música instrumental, o repertório será completado com músicas de

compositoras mulheres de diferentes gerações e regiões do Brasil.

Concertos (Fundição Progresso)

17h30 – Ana De Oliveira E Sérgio Ferraz convidam Marcos Suzano | Palco

São Sebastião – Ana de Oliveira e Sérgio Ferraz são músicos brasileiros

de excelência, que transformaram ideias, experiências e histórias em um

projeto inédito. Unindo o violino contemporâneo da paulista e as

múltiplas sonoridades do compositor nascido em Pernambuco, a dupla

compilou um repertório que homenageia outros artistas com canções menos

conhecidas do público, que combinam acordes e improvisos e se traduzem

num tributo a esses grandes marcos da música brasileira. Celebrando a

alma e cultura brasileiras, a dupla reuniu as canções da parceria no CD

“Carta de Amor e outras histórias”, recentemente lançado, que contou com

a colaboração de artistas como Roberto Frejat e Egberto Gismonti. Além

desses nomes, Ana e Sérgio ainda tiveram a participação especial de

Marcos Suzano, na percussão, que também os acompanhará neste show do

MIMO, onde integram a programação do Rio de Janeiro após uma

apresentação de grande sucesso durante a 4ª edição internacional do

Festival, em Amarante, Portugal. Ana de Oliveira é graduada pela Escola

Superior de Música em Freiburg, na Alemanha, e já participou em diversos

projetos da Orquestra Sinfónica Brasileira, como solista e spalla.

Sérgio Ferraz toca violão, viola de 12 cordas e guitarra, tendo gravado

3 álbuns de originais e participado em importantes festivais de jazz.

19h – Noura Mint Seymali | Mauritânia | Palco São Sebastião – Uma das

mais corajosas e ousadas artistas da Mauritânia, é um fenômeno da

atualidade. Começando sua carreira aos 13 anos, desenvolveu sua técnica

vocal e instrumental compondo músicas e criando melodias experimentais

que mesclavam os sons do Saara, Magreb e da África Ocidental com

influências contemporâneas. Seguindo um percurso musical ditado pelos

costumes Griot e mantendo o compromisso de preservar e transmitir as

tradições de seu povo, Noura se especializou com maestria na

interpretação do som único do ardine: um instrumento de 9 cordas

semelhante à harpa e exclusivo para mulheres. Seu álbum de estreia

“Tzenni” alcançou o 1º lugar no “World Music Charts Europe”, em 2014 e,

no ano seguinte, conquistou o prêmio da União Africana na categoria

“Melhor Artista Feminina do Norte da África”, recebendo reconhecimento

internacional e elevando a importância da participação feminina na

indústria da música. Acompanhada por seu marido Jeich Chighaly, na

guitarra, por Ousmane Touré, no baixo e por Matthew Tinari, nos

tambores, Noura vem pela primeira vez ao Brasil para se apresentar no

MIMO após um show de grande sucesso no Festival em Amarante, na edição

de 2018.

20h – Edgar | Palco Arena – Descrito como “o profeta do apocalipse” por

inúmeros veículos, o paulista chega à cena musical brasileira com a

missão de resgatar a essência do rap e seu compromisso em expor a

realidade social que é cotidianamente ofuscada. Ganhando visibilidade

após participar do famoso álbum “Deus é mulher”, de Elza Soares, com a

faixa “Exu das escolas”, o artista alcançou uma projeção além do

universo hip hop e lançou, em 2018, o seu álbum “Ultrassom”, com a

produção musical de Pupillo, baterista do Nação Zumbi.

21h30 – Jards Macalé | Palco Arena – Exímio violonista, arranjador e

autor de sucessos eternizados por grandes nomes da música brasileira,

como Maria Bethânia, Gal Costa, Luiz Melodia e O Rappa, o irreverente

cantor e compositor vive um período de reconhecimento e grande

visibilidade de sua obra. Filho de músicos e acostumado a comparecer a

concertos desde criança, o carioca estudou orquestração, análise

musical, violão e violoncelo, expandindo seus horizontes teóricos e

práticos ao longo dos anos. Nos anos 60, dirigiu o famoso álbum

“Transa”, de Caetano Veloso, integrou o movimento Tropicalista e firmou

parcerias de sucesso com inúmeros artistas brasileiros, lançando seu

primeiro disco em 1972. Após um longo período afastado dos palcos, Jards

retornou em 2019 com muita força e garra com um repertório repleto de

inéditas. “Besta Fera” é um álbum potente, pesado, que retrata o Brasil

contemporâneo com liberdade e soltura, honrando a inigualável trajetória

desse artista que está sempre se reinventando e atraindo fãs das novas

gerações. Concorrendo ao Grammy Latino na categoria de “Melhor álbum de

música popular”, Macalé se apresentará no MIMO Festival acompanhado por

Pedro Dantas, Guilherme

Held, Gabriel Basile, Victoria dos Santos e Allan Abadia para

interpretar as doze músicas do novo disco, além dos clássicos de seus

cinquenta anos de carreira.

23h – Xenia França | Palco Arena – É referência de empoderamento e

comportamento feminino em um cenário artístico de resgate e propagação

da cultura Afro-brasileira. Foi indicada ao Grammy Latino 2018 com seu

maior sucesso “Pra que me chamas”, subiu aos palcos de grandes festivais

como Recbeat, Coala e Queremos e realizou sua primeira turnê nos EUA se

apresentando no Summerstage em Nova York e na Filadélfia. Em 2019, traz

sua voz suave e presença arrepiante pela primeira vez ao MIMO Festival.

00h30 – Amadou & Mariam | Mali | Palco Arena – A dupla musical conhecida

previamente como “o casal cego de Mali” superou esse rótulo com seu

inovador trabalho musical, que une os ritmos tradicionais africanos ao

blues, pop e rock. Alcançando o patamar de porta-voz da história e

cultura do seu povo para o resto do mundo, o duo formado por Amadou

Bagayoko, guitarrista que se apresentava ao lado de Salif Keita no grupo

Les Ambassadeurs du Motel de Bamako, e Mariam Doumbia, cantora e

compositora compositora, desbravou o cenário internacional e propagou o

pop-africano no ocidente seguindo a missão de fazer as pessoas felizes

com a sua música. Depois do grande sucesso do disco “Dimanche à Bamako”

produzido por Manu Chao, em 2005, Amadou e Mariam continuaram inovando e

trazendo novos tons às melodias africanas. Com o lançamento do seu

oitavo álbum internacional que recebe o título de “La Confusion”, em

2017, os dois dos mais populares artistas da África retornam com novas

músicas, letras potentes e ritmos que remetem diretamente a sua terra

natal, chamando atenção do público para o que está acontecendo em seu

país, tanto politicamente quanto culturalmente. A voz doce e suave de

Mariam unida à guitarra blueseira de Amadou fizeram a fama da dupla

extremamente carismática, representando uma parceria que vem de dentro e

fora dos palcos. Os dois se conheceram no Instituto de Bamako para

Jovens Cegos e, tendo a música como o grande elo de conexão entre os

dois, apaixonaram-se e decidiram seguir juntos na vida e na carreira.

Com sua força musical, conquistaram ao longo dos anos três indicações ao

“Victoires de la Musique” e uma ao “Grammy Award para Best World Music

Album”. Com poucas vindas ao Brasil ao longo da carreira, retornam em

2019 para apresentações exclusivas no MIMO Festival.

INTERVALOS – Dj Montano – Pesquisador musical de diferentes épocas,

sempre antenado às novas tendências e raridades, DJ Montano promove em

seus sets uma conversa entre a música brasileira e aquela que vem de

outras partes do mundo. Residente do MIMO Festival desde 2015 e atuando

há 10 anos como DJ e VJ, suas apresentações trazem repertórios que unem

diferentes estilos musicais para mostrar as inúmeras possibilidades de

misturas rítmicas entre o maracatu, samba, jazz, funk e tropicália.

Cinema (Cine Odeon):

16h – NA ROTA DO VENTO – A MÚSICA NO CINEMA DE SERGIO RICARDO | Direção:

Marina Lutfi, Cavi Borges e Victor Magrath| DOC | 22′ | 2019 | RJ |

Livre | Sinopse: A música e o cinema juntos e misturados. Criando

músicas pensando em imagens e pensando imagens pensando na música. O

documentário aborda a vida do cineasta e músico Sergio Ricardo e seu

processo criativo.

16h – MEMÓRIAS DO GRUPO OPINIÃO | Direção: Paulo Thiago | DOC | 1h12 |

2018 | RJ | livre

Sinopse: Em 2019 são celebrados os 55 anos do show Opinião, que em 1964

deu partida na criação do grupo e no movimento oriundo do CPC Centro

Popular de Cultura, quando um grupo de intelectuais liderados por

Ferreira Gullar, Oduvaldo Viana Filho e João das Neves, entre outros,

criou o Grupo Opinião. O documentário traz à tona a beleza e o vigor

desses artistas e autores da nossa cultura brasileira.

18h – PROCURAM-SE MULHERES | Direção: Rozzi Brasil | DOC | 17′ | 2018 |

RJ | 10 anos

Sinopse: Invisíveis no mundo do samba, mulheres atendem um anúncio numa

rede social. Conectando-se para fugir à invisibilidade, elas se conhecem

e reconhecem e criam coragem para algo surpreendente: a primeira

parceria concorrente de samba enredo composto e defendido por mulheres

numa das escolas de samba mais tradicionais do Rio de Janeiro.

18h – SAMBALANÇO – A BOSSA QUE DANÇA | Direção: Fabiano Maciel | DOC |

1h30 | 2019 | RJ |Livre | Sinopse: Nos anos 60 entre boates de

Copacabana e bailes nos subúrbios do Rio, surgiu um ritmo que conquistou

admiradores no Brasil e no mundo. Misturando jazz, samba e música

latina, o Sambalanço vendeu milhares de discos. Por 15 anos o diretor e

o crítico Tárik de Souza gravaram shows e entrevistas dos principais

nomes do ritmo para este documentário que já nasce como um registro

inédito, raro e histórico.

20h30 – POESIA AZEVICHE | Direção: Ailton Pinheiro | DOC | 20′ | 2018 |

BA | Livre | Sinopse: O documentário conta através das memórias dos

compositores e letristas de destaque dos Blocos- Afros Tradicionais da

Bahia, da Década de 70 aos Anos 90, a importância histórica de suas

canções para valorização da identidade negra e luta contra o Racismo na

Bahia e no Brasil.

20h30 – DORIVAL CAYMMI – UM HOMEM DE AFETOS | Direção: Daniela Broitman

| DOC | 93’| 2019 | RJ | livre | Sinopse: O documentário nos leva a uma

viagem irresistível pelo universo do cantor e compositor que

revolucionou a canção no Brasil e influenciou toda uma geração de

músicos, abrindo caminho para movimentos como a Bossa Nova e a

Tropicália.

DOMINGO, 01 DE DEZEMBRO

Chuva de Poesia (Museu da República)

11h30 – Este ano, a chuva de poesia homenageará o amor em suas diversas

formas. Com poesias de Arthur Rimbaud, Mário de Sá-Carneiro, Jorge de

Sena, Nicolas Behr, Oswald de Andrade, Heine, Carlos Drummond de

Andrade, Gregório de Matos, Manuel Maria Barbosa du Bocage, Fernando

Pessoa, Vinicius de Moraes, Sophia de Mello Breyner Andresen, Pablo

Neruda, Maria de Sá Carneiro, José Saramago, Carlos Queiroz, Jorge de

Sena, Ferreira Gullar, Florbela Espanca, Luís de Camões, Mário Quintana,

Cora Coralina, Cecília Meireles e Chico Buarque, espalharemos versos de

diferentes épocas, estilos e nacionalidades, colocando em evidência esse

sentimento leve, bonito, intenso…mas cheio de enigmas. Idealizada pelo

poeta, artista gráfico e editor mineiro Guilherme Mansur, a Chuva de

Poesia ocupa Ouro Preto desde 1993 e foi incorporada à programação do

MIMO Festival em 2013. Ele é o responsável pela curadoria dos textos

dessa edição.

Concerto (Parque das Ruínas)

15h – Artista Vencedor Do Prêmio Mimo De Música 2019 – O Prêmio prevê, o

incentivo e o apoio a novos talentos da música brasileira, entre 18 e 40

anos. O artista selecionado na edição 2019 será conhecido na semana do

MIMO Rio de Janeiro.

17h – FORTUNA & CORO DOS MONGES BENEDITINOS DO MOSTEIRO DE SÃO BENTO –

Reconhecida na cena musical por suas pesquisas e melodias que carregam a

identidade, feridas e tradições judaicas, a cantora e compositora

brasileira Fortuna traz para o MIMO o seu novo projeto “Mares da

Memória”. Com uma apresentação de sucesso na edição 2019 do Festival, em

Amarante, traz para Brasil seu repertório de canções inspiradas nas

obras do cancioneiro ladino, onde além do dialeto judeu-hispânico se

reúnem aspectos da fusão cultural entre povo peninsulares e mouriscos,

os ritmos e sonoridades remetem às influências de cada país por onde os

judeus peregrinaram. Com uma trajetória musical de mais de 20 anos,

Fortuna possui mais de 10 álbuns gravados, conquistou o 10º Prémio Sharp

de Música como melhor disco produzido em língua estrangeira e teve uma

música gravada especialmente para a trilha sonora da novela Velho Chico,

da Rede Globo de Televisão. Para sua apresentação no Rio de Janeiro,

Fortuna vem acompanhada por guitarra e teclado, propondo um diálogo

intercultural entre diferentes nações e religiões que se pronuncia

através da sua voz com a sonoridade de novas perspectivas. Em São Paulo,

a artista se apresentará no Mosteiro de São Bento junto ao coro dos

Monges Beneditinos em mais um exemplo de sincretismo e valorização de

culturas distintas. A parceria da artista com os Monges não é recente:

foi em 2001 que eles se uniram para a gravar o CD “Caelestia”

celebrando, através da música, duas religiões que vivem em conflito há

séculos. Desde então, a sinergia entre Fortuna e o famoso coro monástico

se repetiu ao longo dos anos, representando um importante encontro

interreligioso que se traduz em momentos únicos e emocionantes.