Terry Gilliam – o onírico anarquista”: com palestra, debate, aula magna, exibição de filme e sessões inclusivas, mostra apresenta atividades on-line e gratuitas

0
298

Até 31 de janeiro, a mostra “Terry Gilliam – o onírico anarquista” ocupa o Cinema I do Centro Cultural Banco do Brasil, uma abrangente retrospectiva realizada no Brasil sobre o diretor, ator e animador americano naturalizado inglês, e que integrou o importante grupo de humor Monty Python.

Além das 28 produções em sessões presenciais, a mostra preparou atividades paralelas on-line para que o público faça uma imersão no mundo do cineasta: palestra, debate e aula magna. Para quem já o conhece, será uma forma de ratificar algumas questões. Para quem não o conhece, a chance de poder entender melhor a obra marcante de Gilliam. Terá ainda no formato on-line sessões inclusivas (audiodescrição e legenda descritiva) – toda a programação é gratuita.

O Centro Cultural Banco do Brasil fica na R. Primeiro de Março, 66 – Centro do Rio.

Serviço:

TERRY GILLIAM – O ONÍRICO ANARQUISTA

Atividades paralelas Rio de Janeiro

Palestra

A ANIMAÇÃO DE TERRY GILLIAM

Professor: Christian Caselli

Data e horário: 15 de janeiro, às 15h

Carga horária: 90 minutos

Classificação indicativa 14 anos

Evento gratuito e on-line.

Inscrições a partir de 5 de janeiro pela plataforma Sympla: sympla.com.br/produtor/blgentretenimento

Conteúdo: O curador da mostra Christian Caselli abordará sobre esta importante vertente da fase inicial da carreira do cineasta, que foi fundamental para a construção de seu estilo futuro. Será esmiuçado como ele desenvolvia suas animações através de técnicas mistas (colagens e desenho animado) e a importância que este período teve para a criar a identidade visual e conceitual do grupo Monty Python.

Sobre o palestrante:

Christian Caselli

Cineasta, editor e curador. Ganhou retrospectivas de sua obra em 2005 e 2015 em Portugal, em 2013 no Peru e em vários festivais do Brasil. Acumula mais de 10 prêmios e seu curta mais conhecido é “O Paradoxo da Espera do Ônibus”, de 2007. Trabalhou na edição e videografismo no longa “Salto no Vazio” (de Cavi Borges) e em documentários sobre o cantor Serguei e os cineastas Neville de Almeida, Ivan Cardoso e Luiz Rosemberg Filho. Para a TV, dirigiu as séries “Trash!” e “Cinema de Bordas” (Canal Brasil) e os programas “A TV que o Brasil Está Pensando” e “TV e Grandes Autores” (TV Brasil). Presta serviços para eventos de cinema em todo país, tais como Mostra do Filme Livre (desde 2005), Maranhão na Tela (desde 2008), Festival Curta o Curta, entre outros. Nestes, realiza oficinas, vinhetas, curadoria, produção, etc.

Filme com exibição on-line:

Brazil, o filme

Disponível on-line de 21 de janeiro, às 13h, até 24 de janeiro, às 23h59.

O acesso é gratuito via plataforma Wurlak.com.br. Os interessados deverão se cadastrar, sem custo, para poder conferir o filme. Aqueles que optarem por assistir via smartphone ou tablet, o recomendado é que faça download do aplicativo do serviço de streaming, que está disponível nas versões para IOS e Android.

Brazil – o Filme

Brazil, 1985, ING/EUA, 122min, cor

Direção: Terry Gilliam

Elenco: Jonathan Pryce, Kim Greist, Michael Palin

Sinopse: Sam Lowry é um pacato funcionário público que vive num Estado totalitário controlado pelos computadores e pela burocracia. Em meio à opressão, Sam acaba se apaixonando pela “mulher de seus sonhos”que, na verdade, é uma terrorista. Classificação: 14 anos.

Debate

MOINHOS OU GIGANTES: A GRANDILOQUÊNCIA NA OBRA DE TERRY GILLIAM E OUTROS CINEASTAS

Mediação: Eduardo Reginato

Debatedores: Luiz Carlos Oliveira Jr. e Sergio Alpendre

Data e horário: 22 de janeiro, às 19h30

Carga horária: 90 minutos

Classificação indicativa livre

Evento gratuito e on-line.

Exibição via canal do Youtube da BLG Entretenimento

https://www.youtube.com/channel/UCQYv_cChRcvYu9LQ3wf249A

Conteúdo:  “Gigantismo” é um termo muito usado por críticos e estudiosos de cinema para denominar determinadas produções cinematográficas que se destacaram positivamente ou negativamente pela grandiloquência de sua realização. Por exemplo, Terry Gilliam mandou construir cenários monumentais e minuciosamente detalhados nos estúdios da Cinecittà baseados na arquitetura do Oriente Antigo e da Europa do séc. XIX para o filme As Aventuras do Barão de Munchausen. Não só Gilliam é adepto do “gigantismo”. Cineastas como Jacques Tati que construiu uma cidade funcional inteira para o filme “Playtime” e ou o diretor Victor Fleming que utilizou 1500 figurantes e mais 1000 manequins em uma cena de E o vento levou… para simular a devastação da guerra cívil americana. O time não para, Abel Gance, D. W. Griffith, Charles Chaplin, Francis Ford Coppola, James Cameron, são outros que veem gigantes no lugar de moinhos tal como Terry Gilliam.

Sobre o mediador e os debatedores:

Eduardo Reginato

Diretor, produtor, roteirista, escritor e crítico de cinema. É formado, mestre e doutorando em Literatura pela Universidade Federal Fluminense, pesquisando cinema e literatura fantástica, de horror e fantasia. Na televisão foi diretor e roteirista do programa Cinema Mundo (2006) do extinto canal Cine Brasil TV e produtor dos programas (Re)corte Cultural e Arte com Sérgio Britto da TVE (atual TV Brasil). Foi um dos curadores das mostras Bertrand Blier e a Comédia da Provocação (2017) na Caixa Cultural SP, Mel Brooks – Banzé no Cinema (2020), Estúdio Hammer – A Fantástica Fábrica de Horror (2021) no CCBB, entre outras. Foi produtor das mostras O Cinema Total de David Lean (2015), Syberberg, um filme da Alemanha (2016), Aventura Antonioni (2017), Scorsese (2019), Fellini, il Maestro (2020), entre outras.

Luiz Carlos Oliveira Jr.

Crítico de cinema e pesquisador. Autor do livro A mise en scène no cinema: Do clássico ao cinema de fluxo (Papirus, 2013). Docente no Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da Universidade de São Paulo.

Sergio Alpendre

Crítico de cinema, professor, pesquisador, curador e jornalista. Escreve na Folha de S. Paulo desde 2008. Doutor em Comunicação/ Cinema pela Universidade Anhembi-Morumbi. Mestre em Meios e Processos Audiovisuais pela ECA – USP. Edita a Revista Interlúdio (www.revistainterludio.com.br) e o blog de cinema sergioalpendre.com. Foi coordenador do Núcleo de História e Crítica da Escola Inspiratorium (de 2011 a 2017). Foi curador da edição de 2014 do festival FICBIC – Festival Internacional de Cinema da Bienal de Curitiba. Foi redator do Roteiro Cinesesc, de janeiro a março de 2015. Foi oficineiro do programa Pontos MIS (de 2012 a 2015). Fundou e editou a Revista Paisà, publicação impressa de cinema (de 2005 a 2008).

Filmes com recursos de acessibilidade e exibição on-line:

AS AVENTURAS DO BARÃO DE MÜNCHAUSEN e OS IRMÃOS GRIMM

As aventuras do Barão de Münchausen – legenda descritiva

Os irmãos Grimm – dublado em português e com audiodescrição

Disponíveis on-line de 25 de janeiro, às 13h, até 31 de janeiro, às 23h59.

O acesso é gratuito via plataforma Wurlak.com.br. Os interessados deverão se cadastrar, sem custo, para poder conferir os filmes. Aqueles que optarem por assistir via smartphone ou tablet, o recomendado é que faça download do aplicativo do serviço de streaming, que está disponível nas versões para IOS e Android.

As Aventuras do Barão de Münchausen – áudio em inglês com legenda descritiva em português

The Adventures of Baron Munchausen, 1988, ING/ITA/ALE/EUA, 126min, cor

Direção: Terry Gilliam

Elenco: John Neville, Eric Idle, Jonathan Pryce, Sarah Polley, Robin Williams, Uma Thurman

Sinopse: O filme conta as fantásticas histórias do Barão de Münchausen, o maior mentiroso de todos os tempos. Enquanto tenta escapar da morte para encontrar seus amigos com habilidades especiais e salvar a cidade de Viena do ataque dos turcos, o Barão relembra uma inusitada aposta com um Califa, a visita à Lua, a dança com a deusa Afrodite, entre outras aventuras. Classificação: Livre.

Os irmãos Grimm – dublado em português e com audiodescrição

The Brothers Grimm, 2005, TCH/EUA,118min, cor

Direção: Terry Gilliam

Elenco: Matt Damon, Heath Ledger, Jonathan Pryce, Lena Headey, Mackenzie Crook

Sinopse: Wilhelm e Jacob são dois irmãos famosos pelos seus contos de fada, repletos de personagens mágicos. Eles percorrem a Europa comandada por Napoleão Bonaparte enfrentando monstros e demônios falsos em troca de dinheiro rápido. Porém, quando as autoridades francesas descobrem o plano deles, os colocam para enfrentar uma maldição real em uma floresta encantada, na qual meninas desaparecem misteriosamente. Classificação: Livre.

Aula Magna

AS INFLUÊNCIAS E REFERÊNCIAS NA OBRA DE TERRY GILLIAM

Professor: Braulio Tavares

Data e horário: 29 de janeiro, às 15h

Carga horária: 2 horas

Classificação indicativa 14 anos

Evento gratuito e on-line.

Inscrições a partir de 5 de janeiro pela plataforma Sympla: sympla.com.br/produtor/blgentretenimento

Conteúdo: O tema a ser trabalhado é a relação da obra de Terry Gilliam com o barroco, gótico, os elementos alegóricos e o realismo fantástico encontrados em seus filmes.

Sobre o professor:

Braulio Tavares

Nasceu em Campina Grande (PB) em 1950 e mora no Rio de Janeiro desde 1982. Ganhou o Prêmio Caminho de Ficção Científica em Lisboa (1989) com o livro “A Espinha Dorsal da Memória”, reeditado em 2020 pela Editora Bandeirola (SP). Cursou em 1991 a Clarion Science Fiction Workshop, na Michigan State University. Entre 2003 e 2014 coordenou uma série de antologias do conto fantástico para a Casa da Palavra (Rio de Janeiro). Suas publicações mais recentes são a coletânea de contos “Fanfic” (Patuá, SP, 2019) e a antologia “Crimes Impossíveis” (Bandeirola, SP, 2021). Mantém há anos o blog Mundo Fantasmo, com mais de 4 mil artigos sobre literatura, poesia, ficção científica, cinema, música popular e cultura em geral.