Confira a sinopse do enredo do GRES Botafogo Samba Clube para o Carnaval 2025

0
111

“Uma Gloriosa História em Preto e Branco”

Sinopse 

Falar do teu passado é como ouvir um disparo que há séculos ecoa: 

FOGO!
Artilharia a postos. No ataque, o maior navio de guerra de seu tempo. Com canhões “boca de fogo”, o São João Baptista, apelidado… “Botafogo”! Sim… 

Botafogo, Botafogo, galeão desde 1534. 

Na tripulação, o heroico oficial, que, pela Conquista de Túnis, ascende ao posto de Capitão: João Pereira de Sousa, o Artilheiro. Herdeiro do apelido da embarcação, passou a ser Botafogo também, registrado, inclusive, como nome de família. Já em terras cariocas, com bravura enfrentou outros adversários, os invasores franceses. Por fim, se estabeleceu em uma sesmaria, que ficou conhecida por sua alcunha e deu origem ao nome do teu bairro.

Teu lugar… Banhado pelas águas calmas da enseada, era perfeito para a prática de esportes aquáticos, como o remo. Ali, em 1894, é fundado o Club de Regatas Botafogo, abrindo caminho para tua gloriosa história. Fostes o primeiro a vencer o campeonato nacional do esporte, sucesso também creditado à “Diva”, nome dado à embarcação que te presenteou com tantas vitórias. Sobre as águas e o firmamento como testemunha, os remadores treinavam antes do raiar do dia, e a Estrela D’Alva por companhia. Brilhante e solitária, na verdade, um planeta: Vênus. Não por acaso, deusa do amor. Amor que marcará gerações. 

À Beira-Mar, o Pavilhão de Regatas reunia centenas, atraídos pelos torneios. Outros, a certa distância, também observavam. Eram banhistas que, à moda da época, assistiam e desfrutavam de um dia de sol na saudosa – sem trocadilhos – Praia da Saudade.

Bela época, em que a maravilhosa cidade era capital do país… Em que teu nobre bairro era cenário elegante de palacetes e de outro importante pavilhão, O Mourisco, a imponente construção que funcionou como restaurante, um dos endereços mais chiques da região. Décadas depois, demolido, abrigaria, em seu lugar, outros “mouriscos”, que no futuro seriam tuas sedes.
Da água pro campo gramado, outro esporte começava a encantar a população. Em 1904, um grupo de estudantes fundou um clube de futebol, batizado Electro Club. Mas logo entra em cena a figura de D. Chiquitota, avó de um dos rapazes. Foi ela que sugeriu um novo batismo. E assim nasceu, no mesmo bairro, a outra parte de ti: o Botafogo Football Club. Três anos depois, já dividias a conquista de um campeonato, mas é pelo Carioca de 1910 que serás sempre saudado:

“Tu és o Glorioso!” 

Quis o destino que, de forma trágica, tuas duas metades se unissem. Foi em 1942, durante uma partida de basquete, modalidade comum aos quadros dos dois clubes, que o coração de Albano, atleta do Football Club, sucumbisse. O que partiu o coração de todos os presentes foi, por ironia, o que te uniu no que hoje és: Botafogo Futebol e Regatas, “O Mais Tradicional”.
Teus hinos registram a história e as glórias, mas o mais popular deles, composto pelo Rei das marchinhas carnavalescas, Lamartine Babo, é o mais polêmico. Mas, certamente o que te imortalizou. 

Na tua lista de curiosidades, um pato de desenho animado estrangeiro, num breve tempo, te representou. Em tua trajetória recheada de superstições e símbolos, vale citar também o teu amuleto de quatro patas: Biriba, o cãozinho que, segundo Carlito Rocha, o presidente, garantiu grandes resultados, tornando-se, posteriormente, mascote. E o famoso Manequinho, que já afrontou os bons costumes e foi devidamente vestido com o manto alvinegro, certamente com a emblemática camisa sete, convertendo-se em patrimônio cultural da cidade. Hoje, é um dos teus símbolos, guardado em General Severiano, tua célebre e antiga casa.

Teu fogo também é chama olímpica a iluminar os atletas das demais modalidades que participam dos Jogos. Dentre tantas figuras de destaque, uma personagem épica, como sua homônima heroína de ópera, Aída. Pioneira, orgulho botafoguense. 

Olímpico também é teu estádio, chamado pelas massas de “Niltão”. Construído para o PanAmericano de 2007 e utilizado para a Rio 2016, é o atual equipamento onde teus adversários caem no tapetinho do Engenhão. 

O brilho metálico da tua galeria só confirma como és grandioso. Por muitas vezes, base da seleção principal, poderia te orgulhar a cantar: 

“A taça do mundo é nossa, com o Botafogo, não há quem possa!”

Falar de ti é prestar tributo a ídolos de todos os tempos, eternizados em tinta e cal, que formaste como um escrete. Tens o Anjo das Pernas Tortas, a Enciclopédia do Futebol, o Príncipe Etíope, O Possesso e o belo Gilda. Tens o Velho Lobo, Quarentinha, o Capitão, o Furacão e o Canhotinha. João Sem Medo no comando. Uma fábrica de craques que é uma Maravilha em campo. É Loco, pensar que outros virão? Muitos! Sempre caberá um ídolo a mais… 

Dentre tantas, tua maior glória é a tua torcida. Torcida, substantivo feminino, inspirado nas primeiras frequentadoras que assistiam às partidas com ardor, gritando, xingando, torcendo – literalmente – lenços e luvas, criando a expressão que existe até hoje. A tua, em especial, formada por famosos e anônimos de todas as classes, gêneros, cores e credos. No jubilo ou nas adversidades. Segundo um botafoguense fervoroso, Armando Nogueira: 

“Ser Botafogo, é escolher um destino…”. 

Sentimento que não tem explicação, é mais que paixão. É amor. E cabe citar o poeta, que um dia escreveu:

“O amor é fogo que arde sem se ver”. 

Na hora do gol, a voz do estádio grita o bordão: “incendeia a torcida do fogão”, o povo delira o sangue ferve e a galera vai fes-te-jar. 

Preto no branco tua história até aqui está contada. E como recado aos rivais: 

Perder? 

Pra ninguém! 

Texto Alex de Souza

Edição Paulo Cesar Barros