Theatro Municipal do Rio de Janeiro oferece masterclass gratuita com o baixo Luiz- Ottavio Faria 

0
257

O cantor carioca, Luiz- Ottavio Faria, que vive nos Estados Unidos, está de passagem pelo Brasil e vai ministrar no dia 5 de julho, entre 14h e 17h, uma masterclass gratuita, na Sala Mário Tavares, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, para baixos, barítonos e baixo-barítonos. Com o patrocínio Ouro Petrobras, serão selecionados seis cantores que deverão se inscrever até o dia 30 de junho, através do e-mail [email protected] enviando o nome completo, a data de nascimento, uma biografia resumida, dois links de gravações e duas árias em pdf. Os escolhidos terão que entregar duas cópias impressas das árias no dia da aula.


Sobre Luiz- Ottavio Faria

Luiz-Ottavio Faria é um dos baixos mais prestigiados da atualidade. Com um repertório vasto, sua interpretação impressiona público e crítica nos personagens que atuou: Commendatore (Don Giovanni), Ramfis (Aida), Sparafucile (Rigoletto), Sarastro (A Flauta Mágica), Colline (La Boheme), Banquo (Macbeth),  Oroveso (Norma), Zaccaria (Nabucco) e Timur (Turandot). 

Com expressiva agenda internacional. Luiz-Ottavio tem se apresentado regularmente nos principais teatros dos Estados Unidos, Finlândia, Itália, França, Espanha, Muscat, Portugal e Brasil. Em 2022, em Detroit, foi solista da Sinfonia nº 9 in Ré Menor de Ludwig van Beethoven, sob regência de Jader Bignamini. Na Finlândia, esteve no concerto da Missa Solemnis Opus 123, de Beethoven, com a Orquestra Sinfônica de Lahti, sob regência de Hannu Lintu. Na Itália, no elenco da ópera Rise and Fall of the City of Mahagonny de Kurt Weill, no Teatro Regio di Parma.

Em 2021, na França, interpretou Sparafucile da ópera Rigoletto com a Orquestra Nacional Montpellier Occitanie, com direção musical de Roderick Cox. Na Espanha, esteve em A Coruña, Galícia, como Giorgio Valton na obra I Puritani de Vincenzo Bellini em forma de concerto.

Em 2020 esteve em Muscat, para interpretar mais uma vez Sarastro, personagem da ópera A Flauta Mágica de Wolfgang Amadeus Mozart. A direção musical e regência foi do suíço Diego Fasolis e a direção cênica, do italiano Davide Livermore. A apresentação foi com o grupo de câmara italiano I Barocchisti no Royal Opera House Muscat, no Sultanato de Omã, na Península Arábica. Seguiu para Portugal, interpretando Stromminger da ópera La Wally de Alfredo Catalani no Teatro São Carlos de Lisboa, com direção musical de António Pirolli. E finalizou em New Haven em um recital com o internacionalmente reconhecido tenor porto-riquenho Carlos Seise.

Em 2023, no Brasil, foi Osmin na ópera O Rapto do Serralho de Mozart no Theatro São Pedro em São Paulo, direção cênica de Jorge Takla e regência de Cláudio Cruz. E em 2021, foi Father TruLove na ópera The Rake’s Progress (1951) de Igor Stravinsky,no Theatro Municipal de São Paulo, sob direção cênica de Juliana Santos e regência do maestro Roberto Minczuk. Criou o The Black Roots Ensemble, que interpreta músicas africanas, spirituals e canções brasileiras, com dois dos maiores cantores líricos brasileiros, Jean William e Marly Montoni. A estreia foi na Sala Cecília Meireles e Centro Cultural Banco do Brasil no Rio de Janeiro, seguindo para o Theatro Municipal de Niterói e para a Cidade das Artes.

O baixo brasileiro Luiz-Ottavio Faria, natural de Bonsucesso, no Rio de Janeiro, estudou canto com professores consagrados no mundo lírico, tais como Fernando Teixeira, Nilze Mirian Vianna, Simon Estes e Benjamin Mathews. Formado pela prestigiada The Juilliard School of Music, de Nova Iorque, também foi aluno da Escola de Música Villa-Lobos, do Conservatório Brasileiro de Música e da UNIRIO do Rio de Janeiro, além de frequentar o American Institute of Music Studies, AIMS, na Áustria.

 A estreia mundial de Luiz-Ottavio Faria se deu na ópera Un Ballo in Maschera, de Giuseppe Verdi, no papel de Tommaso, ao lado do legendário tenor Carlo Bergonzi e do grande barítono brasileiro Fernando Teixeira, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, com temporada estendida para o Theatro Municipal de São Paulo. Mais tarde, interpretou Commendatore (Don Giovanni),
Ramfis (Aida), Sparafucile (Rigoletto), Sarastro (A Flauta Mágica), Colline (La Boheme), Banquo (Macbeth), Oroveso (Norma) Zaccaria (Nabucco) e Timur (Turandot).

Nos últimos anos foi Sparafucile, na ópera Rigoletto de Verdi, sob a regência de Roberto Minczuk e a direção cênica de Jorge Takla, no Theatro Municipal em São Paulo e no Teatro Solis de Montevideo, no Uruguai, sob regência do maestro uruguaio Martin Jorge. Cantou na ópera Don Carlo, no Teatro Cólon, em A Coruña, na Espanha,como consagrado baixo italiano Ferruccio Furlanetto. Foi Jacopo Fiesco, da ópera Simon Boccanera de Verdi, no Teatro Comunale di Bologna, na Itália. Zaccaria na ópera Nabucco de Verdi, no Teatro Montpellier, na França. Timur, em Turandot de Giacomo Puccini na Ópera de Toulon, na França. No XXII Festival Amazonas de Ópera, interpretou Don Ruy Gomes na versão em forma de concerto da ópera Ernani de Verdi, no Teatro Amazonas, sob regência do maestro Luiz Fernando Malheiro.

 

Serviço:

Masterclass gratuita com o baixo Luiz-Ottavio Faria

Data: 5 de julho – quarta-feira

Inscrições até 30 de junho pelo e-mail [email protected] 

Horário: 14h às 17h

Local: Sala Mário Tavares

Endereço: Av. Alm. Barroso, 14/16 – Centro – Anexo do Theatro

Entrada franca

Classificação: Livre

A abertura da Sala Mário Tavares inicia às 13h30 e a entrada do público será por ordem de chegada.