Usuários do Santos Dumont afirmam, em pesquisa da Fecomércio RJ, que usariam o Galeão

0
454

Com o objetivo de compreender o perfil socioeconômico dos usuários do Aeroporto Santos Dumont, seus motivos de viagem, região de residência, cidades de destino e o que pensam sobre o Galeão como opção para seus voos, o Instituto Fecomércio de Pesquisas e Análises (IFec RJ) elaborou uma pesquisa com 1.609 passageiros na área de embarque do terminal, entre os dias 16 e 22 de maio. 

Segundo a sondagem, 56,8% afirmaram que, caso fosse o mesmo voo do Santos Dumont, aceitariam embarcar no Galeão. Se as passagens fossem mais baratas no Tom Jobim, 19,2% disseram que usariam o terminal da Ilha do Governador. 

“Enquanto não é apresentada a solução para o imbróglio entre o Santos Dumont e o Galeão, que depende do Ministério dos Portos e Aeroportos, a Fecomércio RJ realizou uma substantiva pesquisa para auxiliar as autoridades envolvidas no processo decisório que considerem a opinião de: Sua Excelência o passageiro. O resultado revela que a opinião do usuário legitima medidas que fortalecem a tese de transferência de voos para o Tom Jobim”, afirmou o coordenador da pesquisa e consultor da Presidência da Fecomércio RJ, Otavio Leite.

 

Perfil socioeconômico do usuário

A sondagem apresenta um retrato fiel do perfil socioeconômico do usuário do Santos Dumont. A média de idade dos passageiros é de 43 anos, 78,3% dos entrevistados têm ensino superior e 19,3% têm o ensino médio completo. 70,8% deles estão empregados, sendo que aproximadamente 50% no setor privado, e 16,6% são empresários.

 

Região onde mora

O Santos Dumont é atualmente o aeroporto do estado do Rio de Janeiro e não, como se imaginava, o terminal dos moradores da Zona Sul da capital. A pesquisa mostra que os usuários do “Leme ao Pontal” são 34% (22,4% no Centro e Zona Sul e 11,6% na Barra da Tijuca e Recreio). 

17,3% estão na Zona Norte, 12,4% na Zona Oeste (Campo Grande, Bangu etc) e na Grande Jacarepaguá. Um dado que chama a atenção na pesquisa é que 12,4% são do interior do estado, 12,3% da Grande Niterói e 11,6% da Baixada Fluminense.

 

Destino, motivo e pagamento da viagem

O levantamento revela que 27,2% dos usuários vão para Congonhas. Somadas as outras opções do Sudeste, como Guarulhos, Vitória, Confins e Campinas, a destinação é de cerca de 60%. 12,6% vão para o Centro-Oeste, sendo que desses 93,5% para Brasília, 19,3% para a Região Sul e 8,1% para o Nordeste. 

Em relação ao motivo da viagem, foi revelado que 50,6% vão a negócios ou trabalho, 27,2% a turismo, lazer e passeio e 14,9% por motivo familiar. 

A pesquisa quis saber também sobre o pagamento das passagens. 60,3% disseram que elas são pagas pelo próprio viajante, sua família ou outras pessoas, enquanto 39,7% têm as passagens pagas por sua empresa.

 

Sobre a Fecomércio RJ

Reúne 59 sindicatos patronais, líderes empresariais, especialistas e consultores com o objetivo de fomentar o desenvolvimento dos negócios no setor do comércio de bens, serviços e turismo no estado do Rio de Janeiro. Desenvolve soluções, pesquisas e disponibiliza conteúdo sobre questões que impactam a vida do empreendedor e colaboram nas decisões dos gestores públicos. Representa mais de 330 mil estabelecimentos, que respondem por 2/3 da atividade econômica do estado e 68% dos estabelecimentos, gerando mais de 1,6 milhão de empregos formais, que equivalem a 60% dos postos de trabalho no estado. Através do Serviço Social do Comércio (Sesc RJ) atua em assistência social, cultura, educação, lazer e saúde aos comerciários e população carente, enquanto o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac RJ) promove educação profissional voltada para o setor.