Carnaval 2023 – Cantora Lexa abre a temporada de megablocos no Rio

0
677

O Carnaval no Rio de Janeiro só começa oficialmente no dia 18 de fevereiro, mas o folião já pode se preparar para a festa na cidade neste fim de semana. Quem curte multidão – literalmente – pode e deve ficar atento aos megablocos, que animarão o Centro do Rio, atraindo, a cada desfile, uma população superior a de várias cidades brasileiras. Quem abre a programação, neste domingo (5/2), às 8h, é o Bloco da Lexa, que estreia no Carnaval carioca com a promessa de arrastar 500 mil foliões. 

Com o cancelamento do Bloco da Preta, em decorrência do problema de saúde da cantora Preta Gil, o desfile do Bloco Carrossel de Emoções, inicialmente previsto para ser realizado neste fim de semana, foi transferido para o domingo seguinte, dia 12/02. Cada vez mais querido na folia de rua do Rio, o bloco, que tem expectativa de atrair 50 mil foliões, fará o seu desfile um dia depois do Chora Me Liga, que promete atrair 30 mil pessoas às ruas do Centro no sábado, dia 11/02.

A lista de megablocos que foram autorizados pela Prefeitura a desfilar passa a ter sete integrantes, ainda assim um recorde no Rio. Além da Lexa, do Chora Me Liga e do Carrossel de Emoções, outros quatro blocos de grande porte desfilarão pela Avenida Presidente Antônio Carlos, no Centro. O Cordão da Bola Preta promete atrair 1 milhão de pessoas no sábado de Carnaval, dia 18/02. Já o Fervo da Lud, que desfila na terça-feira, dia 21/02, tem uma expectativa de público de 600 mil. No sábado após o Carnaval, dia 25/02, é a vez do Bloco da Anitta, que espera atrair 100 mil foliões à Avenida Presidente Antônio Carlos.

No domingo, dia 26/02, o Monobloco encerra a festa dos megablocos, com expectativa de atrair 300 mil pessoas. Os sete integrantes do circuito de megablocos irão se concentrar na rua Primeiro de Março, no Centro do Rio. O circuito completo ainda não foi definido, mas devem ser feitas pequenas alterações no trajeto, que tradicionalmente passa pela Avenida Presidente Antônio Carlos, para facilitar a logística na hora de dispersão do público. A concentração de todos os desfiles está prevista para as 7h, com saída dos cortejos às 8h e encerramento ao meio-dia.

A Polícia Militar ainda vai detalhar os controles de acesso no entorno da Avenida Presidente Antônio Carlos com detectores de metais e revista de foliões. A Riotur colocou à disposição da PM dez torres de observação, cuja localização ainda será definida pela corporação.

Quem quiser curtir a folia nas ruas da cidade este ano vai encontrar o maior esquema operacional já produzido até hoje para a grande festa. O público estimado de foliões nas ruas da cidade para este ano é de cinco milhões de pessoas.  Haverá oito postos médicos fixos, dois a mais que em 2020. Destes, a metade com equipes da Prefeitura e o restante de equipes privadas contratadas pela Dream Factory, empresa responsável, desde 2010, pela infraestrutura e pela produção do Carnaval de Rua do Rio de Janeiro. Ao todo, serão dois postos médicos fixos no Centro; quatro na Zona Sul (incluindo novos pontos na Gávea e no Aterro); um na Barra; e um no Recreio.

Os custos operacionais de infraestrutura previstos nos itens do Caderno de Encargos do Carnaval de Rua do Rio, no valor de R$ 39 milhões, serão captados por patrocínio. Além das 220 ambulâncias e dos postos médicos, o folião vai contar ainda com 34 mil posições sanitárias, entre banheiros químicos e mictórios, posicionados por onde passarão os blocos, sendo 10% para pessoas com deficiência (PCDs). O número de operadores de trânsito mais do que dobrou, neste ano serão 3.250 agentes, em 2020 foram 1.500. E para ajudar na limpeza da cidade, a Comlurb vai disponibilizar a maior estrutura já utilizada pela companhia durante o carnaval, com 2.550 garis, carros-pipa, equipamentos de higienização de urina, varredeiras de grande, pequeno e médio porte e mil contentores de 240 litros.

A Prefeitura também começou a cercar monumentos da cidade, bem como jardineiras, principalmente da Zona Sul, para evitar que sejam danificados por foliões. Dez mil vendedores autônomos serão cadastrados, identificados com colete e receberão treinamento da Riotur para atuar nos blocos.