Com artistas selecionados por edital público, Sesc RJ realiza “O Corpo Negro”, um dos maiores festivais de dança do país

0
249

Um dos maiores festivais de dança do país, “O Corpo Negro” começa no próximo sábado, 29 de abril – Dia Mundial da Dança –, com apresentação gratuita de espetáculos criados e executados exclusivamente por artistas negros e negras. Realizado pelo Sesc RJ, o evento chega a sua terceira edição com mais de 90 apresentações, shows, mostra audiovisual, oficinas e debates, ao longo de um mês, selecionados por meio de um edital público.  

“É a primeira vez que realizamos um edital orientado para artistas negros da dança. Mais do que uma ação afirmativa, que contribui para um ambiente justo e socialmente igualitário, o festival busca celebrar a contribuição desses artistas, em todo o país, para a dança. Durante um mês inteiro vamos parar unidades do Sesc no estado e mobilizar cidades para discutir dança e a urgência do combate ao racismo estrutural no setor cultural”, explica André Gracindo, analista técnico de Artes Cênicas do Sesc RJ. 

A seleção dos artistas por meio de um edital afirmativo e inédito de dança para todo o Brasil tem o objetivo fortalecer o segmento, gerar empregabilidade e proporcionar um espaço de visibilidade para os seus trabalhos. Foram destinados R$ 690 mil às produções, selecionadas no ano passado. De acordo com Gracindo, o projeto quer ser o ponto de partida para mais protagonismo negro na cultura brasileira. 

“Temos artistas de uma geração com grande relevância para a cena como Elísio Pitta, Mestre Manoel Dionísio, Carmen Luz, bem como jovens e outros profissionais de todo o país que produzem arte para os nossos tempos, com trabalhos completamente sintonizados com as questões dos nossos dias. Que essas experiências produzam novas consciências sobre os processos históricos e as nossas responsabilidades pessoais e coletivas com a transformação da sociedade contra o racismo nas suas manifestações cotidianas”, diz Gracindo. 

O projeto colabora com as discussões sobre como o racismo estrutural passa pela e com a necessária implementação de ações coletivas de outros setores da sociedade. “Desde a reelaboração dos livros de história que não podem mais representar como heróis os algozes de todas as etnias escravizadas; até as ações no campo simbólico, como a representação positiva da imagem da pessoa negra na cultura e na sociedade de forma geral”, acrescenta o analista técnico de Artes Cênicas do Sesc RJ.

 A programação se estende até 28 de maio nas cidades de Rio de Janeiro, Niterói, São Gonçalo, Nova Iguaçu, Nova Friburgo, Petrópolis e Volta Redonda. Os espetáculos serão apresentados em cerca de 18 espaços desses municípios, entre unidades do Sesc, escolas e universidades e praças públicas. As obras são de nove grupos do Rio e de mais 3 estados: Bahia, Ceará e São Paulo. 

A maioria dos espetáculos são inéditos no Rio, exceto Motiró, da Cia Favela, e o Manifesto Elekô, da Cia de Dança Clanm, que já se apresentaram em unidades do Sesc no estado. Todas as atividades são gratuitas, com a retirada antecipada dos ingressos nos espaços com lotação limitada. Confira a programação detalhada e as sinopses abaixo ou no site www.ocorponegro.com.br 

Neste sábado, 29/4, às 19h, o festival começa no Sesc Copacabana com a presença de alguns artistas da programação. A abertura terá a performance Ará Dudu, de Aline Valentim e Valéria Monã, em homenagem ao casal Carlos Negreiros, músico e líder da Orquestra Afro-Brasileira, morto no ano passado, e Isaura de Assis, uma das primeiras bailarinas e coreógrafas de dança afro do país, integrante do balé de Mercedes Baptista. O casal está na gênese da dança afro no Rio de Janeiro. A noite será encerrada com o show Mãe África de Awuré. 

O festival terá ainda performance de Elísio Pitta, numa homenagem a Ismael Ivo, bailarino e coreógrafo negro, morto em 2021, e que se notabilizou atuando por mais de três décadas na Europa, além de ter dirigido o Balé da Cidade de São Paulo. A programação traz ainda a estreia do espetáculo Iyamesan, de Luna Leal, numa performance só com mulheres. Outro destaque é Repertório Nº 2, com Davi Pontes e Wallace Ferreira, que vem circulando mundo afora com esse trabalho. 

Embora a ênfase seja na dança, o festival também terá uma programação paralela com outras linguagens. Pela primeira vez, haverá shows de música, com Awurê, na abertura, e Xande de Pilares, no encerramento. 

Uma mostra audiovisual robusta também compõe a programação do evento, com 10 filmes de longas e curtas metragem, de cinco estados brasileiros: Rio, São Paulo, Minas, Bahia, Alagoas e Ceará. Ao todo serão mais de 40 exibições ao longo do evento. 

Durante a mostra, será feito o lançamento do documentário Congar, produzido pelo Sesc RJ, e que registrou a viagem do Reinado de Nossa Senhora do Jatobá, de Belo Horizonte para o Rio de Janeiro, para apresentação no festival, no ano passado. O filme mostra diferentes gerações da irmandade, que levam consigo os seus ritos e celebram juntos a fé, a memória e o tempo. 

Também serão oferecidas, durante a programação, oito oficinas de dança em espaços escolares. Destaque para as oficinas com o Mestre Manoel Dionísio, um dos maiores nomes do samba carioca, que vai ministrar aulas de mestre-sala e porta-bandeira nas unidades do Sesc em Ramos, Nova Iguaçu e Nova Friburgo. Também haverá cinco palestras com artistas e convidados, que vão discutir nas mesas pautas referentes à temática negra e a dança. 

No 28 de maio, a partir das 14h, a Praça Mauá, no Centro do Rio, será palco do encerramento do festival com apresentação Sambando, com Minas do Samba, e O corpo que habita o terno, com Jefferson Bilisco. Haverá ainda a Feira de Empreendedores, que dará ênfase a empreendedores negros. O evento termina com show de Xande de Pilares, às 19h.

 

Por que “O Corpo Negro”? 

Por meio das obras, o elenco do festival quer provocar na plateia o valor dos atos culturais brasileiros, elucidando as etnias e credos em diferentes âmbitos. Com força e expressões, “O Corpo Negro” verbaliza as fragilidades e emoções para além da discriminação racial, tendo o palco como ponto de fuga e resistência. O corpo é o ponto central de ataque dos mecanismos de racismo que coagem a sociedade, além de ser o espaço no qual estão as formas de construção das performances apresentadas no projeto. 

“O corpo negro é, portanto, o lugar que apresenta todas as marcas históricas e todas as potências de transformação necessárias. O mesmo que se vê todos os dias, nas ruas, no trabalho, no cotidiano, queremos que seja visto de novas formas”, conclui André Gracindo.

 

PROGRAMAÇÃO:

 

UNIDADES SESC RJ

Sesc Copacabana

Noite de abertura | Performance Ará Dudu, com Aline Valentim e Valéria Monã, e o show Mãe África, de Awuré.

29 de abril | 19h | Teatro de Arena

 

Imalẹ̀ Inú Ìyágbà | espetáculo com Adnã Ionara

27 a 28 de maio | 20h30 | Mezanino

 

Manifesto Elekô | espetáculo com Cia de Dança Clanm  

25 a 28 de maio | 20h | Teatro de Arena

 

Motiró | espetáculo com Cia Favela 

4 a 7 de maio | 19h | Sala multiuso

 

Vala: corpos negros e sobrevidas | espetáculo com Cia Sansacroma

18 a 21 de maio | 20h30 | Mezanino

 

Rés | espetáculo com Corpórea Companhia de Corpos

4 a 7 de maio | 20h30 | Mezanino

 

Repertório N.2 | espetáculo com Davi Pontes e Wallace Ferreira

11 a 14 de maio | 19h30 | Sala multiuso

 

Procedimentos para desenhar uma coreografia | oficina com Davi Pontes e Wallace Ferreira

18 de maio | 14h às 17h

 

Repertório como recomendação para danças do futuro | espetáculo com Davi Pontes e Wallace Ferreira

19 de maio | 17h

 

Impermanência | espetáculo com Elísio Pitta

4 a 7 de maio | 20h | Teatro de Arena

 

Pedreira! | espetáculo com Kleber Lourenço

12 a 14 de maio | 20h | Teatro de Arena

 

Iyamesan | espetáculo de Luna Leal

18 a 28 de maio | 19h | Sala multiuso

 

Poemas Atlânticos | espetáculo do Núcleo Menos 1 Invisível

18 a 21 de maio | 20h | Teatro de Arena

 

Gente de lá | espetáculo de Wellington Gadelha

11 a 14 de maio | 20h30 | Mezanino

 

SETA + Vaga Carne | Sessão de cinema

6 de maio | 15h | Cine-Teatro

 

Congar | Sessão de cinema

9 de maio | 19h | Cine-Teatro

 

Pedreira | Sessão de cinema

13 de maio | 15h | Cine-Teatro

 

Negrum3 + A Rainha Diaba | Sessão de cinema

16 de maio | 19h | Cine-Teatro

 

Damas do Samba | Sessão de cinema

20 de maio | 15h | Cine-Teatro

 

Ilhas de Calor + Elegbará + Só Sei Sentir | Sessão de cinema

27 de maio | 15h | Cine-Teatro

 

Arte Sesc 

Congar | Sessão de cinema

6 de maio | 17h | Auditório

 

Negrum3 + A Rainha Diaba | Sessão de cinema

13 de maio | 17h | Auditório

 

Ilhas de Calor + Elegbará + Só Sei Sentir | Sessão de cinema

27 de maio | 17h | Auditório

 

Centro Cultural Sesc Quitandinha – Petrópolis

SETA + Vaga Carne | Sessão de cinema

16 de maio | 19h30 | Café Concerto

20 de maio | 17h | Café Concerto

 

Damas do Samba | Sessão de cinema

17 de maio | 10h | Café Concerto

 

Pedreira! | apresentação de Kleber Lourenço

18 de maio | 19h30 | Café Concerto

 

Motiró | apresentação da Cia Favela 

19 de maio | 19h30 | Café Concerto

 

 

Sesc Madureira

Motiró | apresentação da Cia Favela

20 de maio | 17h | Teatro

 

Sesc Niterói

Introdução às bases das danças urbanas Hip-Hop | oficina om Douglas Barreto e Wagner Faria da Cia Favela

9 de maio | 14h

 

Motiró | apresentação da Cia Favela

10 de maio | 15h

 

Ilhas de Calor + Elegbará + Só Sei Sentir | Sessão de cinema

11 de maio | 16h30 | Teatro

 

Damas do Samba | Sessão de cinema

18 de maio | 18h30 | Teatro

 

Negrum3 + A Rainha Diaba | Sessão de cinema

25 de maio | 16h30 | Teatro

 

Sesc Nova Friburgo 

Damas do Samba | Sessão de cinema

10 de maio | 14h | Teatro

12 de maio | 19h | Teatro

 

Motiró | apresentação da Cia Favela

13 de maio | 20h | Teatro

 

Introdução às bases das danças urbanas Hip-Hop | Oficina com Douglas Barreto e Wagner Faria da Cia Favela

14 de maio | 9h

 

Oficina de Mestre Sala, Porta-bandeira e Porta-estandarte com Mestre Manoel Dionísio

17, 18 e 19 de maio | 18h

 

Congar | Sessão de cinema

26 de maio | 14h | Teatro

 

Ilhas de Calor + Elegbará + Só Sei Sentir | Sessão de cinema

26 de maio | 19h | Teatro

 

Sesc Nova Iguaçu

Congar | Sessão de cinema

9 de maio | 9h30 | Teatro

 

SETA + Vaga Carne | Sessão de cinema

9 de maio | 14h | Teatro

 

Negrum3 + A Rainha Diaba | Sessão de cinema

9 de maio | 18h | Teatro

 

Damas do Samba | Sessão de cinema

11 de maio | 9h30 e 18h | Teatro

 

Ilhas de Calor + Elegbará + Só Sei Sentir | Sessão de cinema

11 de maio | 14h | Teatro

 

Dança Afro – O corpo da ancestralidade à contemporaneidade | Oficina com a Cia de Dança Clanm

12 de maio | 15h

 

Manifesto Elekô | apresentação da Cia de Dança Clanm

13 de maio | 19h | Teatro

 

Oficina de Mestre Sala, Porta-bandeira e Porta-estandarte com Mestre Manoel Dionísio

23, 24 e 25 de maio | 15h às 18h

 

Sesc Ramos

Motiró | apresentação da Cia Favela

12 de maio | 19h | Sala multiuso

 

Introdução às bases das danças urbanas Hip-Hop | Oficina com Douglas Barreto e Wagner Faria da Cia Favela

11 de maio | 14h

 

Gente de lá | apresentação de Wellington Gadelha

6 de maio | 19h

 

Oficina de Mestre Sala, Porta-bandeira e Porta-estandarte com Mestre Manoel Dionísio

2, 3 e 4 de maio | 9h

 

SETA + Vaga Carne | Sessão de cinema

10 de maio | 15h     

 

Ilhas de Calor + Elegbará + Só Sei Sentir | Sessão de cinema

17 de maio | 15h     

 

Negrum3 + A Rainha Diaba | Sessão de cinema

23 de maio | 15h

 

Damas do Samba | Sessão de cinema

31 de maio | 15h

 

Sesc São Gonçalo 

Repertório N.2 | apresentação de Davi Pontes e Wallace Ferreira

6 de maio | 19h | Teatro

 

Damas do Samba | Sessão de cinema

4 de maio | 10h | Sala de Audiovisual

 

Congar | Sessão de cinema

4 de maio | 14h30 | Sala de Audiovisual

 

SETA + Vaga Carne | Sessão de cinema

10 de maio | 16h | Sala de Audiovisual

 

Pedreira | Sessão de cinema

11 de maio | 10h | Sala de Audiovisual

 

Ilhas de Calor + Elegbará + Só Sei Sentir | Sessão de cinema

11 de maio | 14h30 | Sala de Audiovisual

13 de maio | 16h | Sala de Audiovisual

 

Negrum3 + A Rainha Diaba | Sessão de cinema

12 de maio | 19h | Sala de Audiovisual

 

 

ESPAÇOS PARCEIROS

Cefet/RJ – Maracanã

 

Introdução às bases das danças urbanas Hip-Hop | Oficina com Douglas Barreto e Wagner Faria da Cia Favela

18 de maio | 14h às 17h

 

Escola de Teatro Martins Pena

Repertório N.2 | apresentação de Davi Pontes e Wallace Ferreira

4 de maio | 19h | horário a definir

 

Escolas Públicas

Facetas pretas | apresentação de Viviane Martins Ramos

Espetáculo exclusivo para grupos escolares fechados

 

Faculdade Angel Vianna

Processos criativos em dança negra contemporânea | Oficina com Elísio Pitta

9 de maio | 10h às 13h

 

Corpa Escritura: ensaio sobre corpos pretos e desobedientes | Debate com Gal Martins da Cia Sansacroma

22 de maio | 11h30 às 13h30

 

Dramaturgia em dança: a dança da indignação | Oficina com Gal Martins da Cia Sansacroma

23 de maio | 10h às 13h

 

UFF | INEAC

Rés negras, judiciário branco | Debate com Dina Alves da Companhia Corpórea de Corpos

2 de maio | 18h30

 

 

UFRJ | Campus Praia Vermelha | Escola de Comunicação

Repertório N.2 | apresentação de Davi Pontes e Wallace Ferreira

17 de maio | 20h | Sala Vianinha

 

UNIRIO 

Corpo-matéria que pulsa: dissidências | oficina com Wellington Gadelha

8 de maio | 15h às 18h

 

Corpo brincante: o movimento no/do corpo | Oficina com Kleber Pereira

16 de maio | 18h às 21h

 

Poéticas Negras nas artes da cena: cruzos entre dança, teatro, performance | debate com Kleber Lourenço

17 de maio | 15h às 17h

 

ESPAÇOS PÚBLICOS

Memorial Arena Zumbi – Volta Redonda

 

Sambando | apresentação de Minas do Samba

19 de maio | 19h

 

Roda de samba | apresentação de Iya Mí Dunda

19 de maio | 19h

 

Malandro | apresentação de Jefferson Bilisco

19 de maio | 19 h

 

Negrum3 + A Rainha Diaba | Sessão de cinema

18 de maio | 19h

 

Praça Mauá – Rio de Janeiro 

Sambando | apresentação de Minas do Samba

28 de maio | 14h

 

O corpo que habita o terno | apresentação de Jefferson Bilisco

28 de maio | 14h

 

Show de encerramento com Xande de Pilares

28 de maio | 19h

 

Praça Demerval Barbosa Moreira – Nova Friburgo

 

Sambando | apresentação de Minas do Samba

24 de maio | 15h

 

No batuque do ziriguidum | apresentação de Ginga Brasil

24 de maio | 15h

 

O corpo que habita o terno | apresentação de Jefferson Bilisco

24 de maio | 15h