Exposição no Centro Cultural Sesc Quitandinha celebra os 80 anos do espaço – Petrópolis

0
106

O Centro Cultural Sesc Quitandinha, em Petrópolis, inaugura nesta sexta-feira (1/12) a exposição “Da Kutanda ao Quitandinha – 80 anos”, projeto que abre as celebrações das oito décadas – completadas em 2024 – da edificação que, devido à sua arquitetura, é um dos principais cartões postais da cidade serrana. 

Inaugurado em 1944, o edifício abrigou um dos maiores hotéis-cassino da América Latina, mas teve sua vocação transformada após o presidente Eurico Gaspar Dutra proibir os jogos de azar no Brasil, em 1946. Desde 2007, a área monumental pertence ao Sesc RJ, que a transformou em um Centro Cultural em abril deste ano. 

Com curadoria geral de Marcelo Campos, a programação, que se estende até 25 de fevereiro, conta com exposições, shows musicais e espetáculo de teatro, além de seminários e oficinas. As atividades fazem referência à história da edificação e do território onde ela está inserida – uma região com forte identidade afro-brasileira por conta dos quilombos formadores da cidade de Petrópolis. 

O carro-chefe do projeto é a exposição, dividida em seis núcleos curatoriais espalhados pelos diferentes salões do palácio. Além do trabalho de artistas da nova geração, há obras e referências históricas a nomes importantes das artes no Brasil e que se relacionam com o monumental edifício petropolitano.

 

Obras simbolizam a ancestralidade no território do Quitandinha

O primeiro núcleo, com curadoria de Filipe Graciano e Renata Aquino, traz fotografias, pinturas e vídeos que remontam à origem histórica da presença afrodiaspórica neste território. O Nome “Quitandinha”, inclusive, tem origem no quimbundo, língua falada em Angola, antigo Reino do Dongo, lugar de origem de muitos dos africanos que formam a população afro-brasileira. A profissão das quitandeiras – mulheres pretas que se fizeram presentes na quitanda – movimentou uma fatia importante da economia do século XIX. Neste espaço, destacam-se obras de Ana Beatriz Almeida, PV Dias, Gê Viana, Rafaela Pinah, Wallace Pato e Aline Castella.

 

A história por trás do criador de pinturas do palácio

Tomás Santa Rosa (1909 – 1956) – primeiro cenógrafo moderno brasileiro e diagramador e gravurista de livros do país – é tema do segundo núcleo expositivo, com curadoria de Marcelo Campos e Bruno Pinheiro. Suas obras, que decoram alguns espaços do Palácio Quitandinha, ganharam tratamento e restauro e poderão ser vistas na Piscina, Galeria das Estrelas e Jardim de Inverno. O visitante poderá apreciar criações de diversas fases da sua carreira, livros ilustrados por ele e maquetes de cenários de sua autoria. Outro destaque é a cenografia alusiva aos adereços criados por ele para o carnaval de rua de 1954.  

 

Água-viva gigante faz alusão à obra de Tomás Santa Rosa

O terceiro núcleo terá uma água-viva inflável de oito metros de altura, iluminada por luzes LED, ocupando o Salão Mauá, a cúpula do Centro Cultural. Assinada pelo artista plástico paulistano Felipe Yung, a peça dialoga com as obras de Tomás Santa Rosa, que, inspiradas no livro “20 mil léguas submarinas”, de Julio Verne, decoram a piscina interna do edifício. O espaço, até então fechado ao público, abrirá à visitação pela primeira vez para apreciação das obras.

 

Anna Bella Geiger e os 70 anos da primeira exposição de arte abstrata

Realizada em 1953 no então Hotel Quitandinha, a 1ª Exposição Nacional de Arte Abstrata é recordada no quarto núcleo da mostra. Ela apresenta peças de artistas que participaram do evento, com destaque para Anna Bella Geiger, que, aos 90 anos, é uma das mais importantes em atividade. A artista plástica participou de momentos emblemáticos da história da arte no Brasil como uma mulher pioneira na gravura, na videoarte e na pesquisa em diversos suportes, marca registrada de sua produção artística. O público terá acesso a trabalhos exibidos em 1953 e produções inéditas.

   

Wilson Tibério, artista negro com primeira exposição no Quitandinha

O quinto núcleo expositivo, com curadoria e pesquisa de Bruno Pinheiro, homenageia Wilson Barcelos Tibério (1920-2005), artista gaúcho radicado no Rio de Janeiro e que teve sua primeira exposição individual no então Hotel-Termas Quitandinha, em 1946. As telas em exposição eram parte do interesse contínuo do pintor em documentar o cotidiano de pessoas negras como ele próprio. Telas, documentos e vídeos relembram a mostra, que foi noticiada nos dias seguintes em jornais do Rio e de Petrópolis como parte de uma iniciativa do Quitandinha de divulgar a pintura nacional em seus salões e corredores.  

 

Das celebridades à política mundial, Quitandinha faz história

Por fim, o sexto núcleo ocupa a varanda com exposição de imagens, documentos, áudios e objetos dos primeiros anos de funcionamento do Hotel Quitandinha. A pesquisa e o desenvolvimento, de Ana Cunha, Flávio Menna Barreto e Jeff Celophane, conta a história e mostra as diferentes facetas do empreendimento – tudo ambientado com sons e músicas de época. Inaugurado um ano antes do fim da Segunda Guerra Mundial, foi palco da Conferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, em 1947, e também recebeu celebridades brasileiras e hollywoodianas.

 

 Programação multicultural

Ao longo do período da exposição, haverá shows, apresentações teatrais, bailes, exibição audiovisual, seminários e uma série de outras atividades que aprofundam as reflexões sobre a exposição. A programação será divulgada em breve em www.sescrio.org.br e em @dakutandaaoquitandinha.

 

SERVIÇO

Exposição “Da Katunda ao Quitandinha – 80 anos”

Curadoria geral: Marcelo Campos

Curadores: Marcelo Campos, Bruno Pinheiro, Filipe Graciano e Renata Aquino

Centro Cultural Sesc Quitandinha

Avenida Joaquim Rolla, nº 2 – Petrópolis/RJ

De 1º de dezembro a 25 de fevereiro

Terças a domingos e feriados, das 10h às 17h

Entrada franca