Orquestra Sinfônica Brasileira celebra a chegada de novos integrantes em concertos na Cidade das Artes

0
125

No primeiro trimestre de 2022, a Orquestra Sinfônica Brasileira realizou um concorrido processo seletivo para admissão de novos membros. O certame, como esperado, foi altamente competitivo e aprovou músicos de elevado nível artístico. E para celebrar a renovação do seu corpo orquestral, a OSB leva ao palco da Cidade das Artes, nos dias 14 e 15 de maio, um programa especial com obras de Carlos Gomes, Villa Lobos e Tchaikovsky, sob regência do maestro Roberto Tibiriçá. A apresentação de domingo faz parte da série Concertos para a Juventude – apresentações matutinas de caráter didático com ingressos a preços populares.

Abrindo a apresentação, a orquestra executará a icônica “Abertura” da ópera O Guarani, de Carlos Gomes. A estreia da ópera no Scala de Milão causou uma verdadeira sensação pela Europa, consagrando o compositor como o maior nome do Romantismo brasileiro. A “Abertura”, ou “Protofonia”, como também costuma ser chamada, ganhou status de segundo hino nacional brasileiro e apresenta alguns dos temas mais importantes da ópera, em uma espécie de pot-pourri.

No ciclo de Bachianas Brasileiras, de Heitor-Villa-Lobos, como o título sugere, convivem o entusiasmo nacionalista do compositor e a sua devoção pela música de Johann Sebastian Bach. A suíte de nº 4, que será ouvida no concerto de sábado, foi escrita para piano entre 1931 e 1941, mas posteriormente orquestrada em 1942. São quatro os movimentos: “Prelúdio – Introdução”, “Coral – Canto do Sertão”, “Ária (Cantiga)” e “Dança”.

Tchaikovsky estava passando por uma profunda crise criativa quando escreveu a obra que fecha o programa, a Sinfonia No. 5, em Mi menor, Op. 64. Pouco antes de iniciar o trabalho, ele apontou em seu caderno de anotações um possível contexto imaginativo para o primeiro movimento: “… uma resignação completa diante do destino, que é o mesmo que a inescrutável predestinação do destino…”. É por conta dessa nota que o soturno tema inicial do primeiro movimento, apresentado pelo clarinete, é apelidado de “tema do destino”. Após uma introdução lamentosa, o primeiro movimento alcança um “Allegro con anima” em ritmo de marcha que galopa decidido através da neblina da angústia.  O segundo movimento, um idílico “Andante Cantabile con Alcuna Licenza”, traz um lamentoso solo de trompa, que logo se desdobra em um dueto de tom maior com o oboé, tudo isso amparado pela orquestra, cujo humor oscila entre o trágico e o auspicioso. Uma calorosa valsa serve de terceiro movimento para a sinfonia, que encerra com um finale imponente.

Cinco músicos brasileiros e um venezuelano passam a integrar a OSB

Reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial da Cidade e do Estado do Rio de Janeiro, a OSB se orgulha de levar o Brasil no nome e de ser pioneira na realização de ações que aproximam o grande público da música de concerto, como o projeto Aquarius e os emblemáticos Concertos para a Juventude. Ao longo de seus 81 anos de história, é referência para músicos de todo o mundo e suas posições são disputadas por grandes instrumentistas. Ciente se seu papel social, a orquestra criou, há cinco anos, o Conexões Musicais, projeto que extrapola as salas de concerto e leva a instituição para diversas localidades brasileiras, oferecendo aprimoramento para jovens estudantes de música, profissionalização para projetos sociais que promovem inclusão por meio da educação musical e o que a orquestra faz de melhor: encantar o público com seus concertos.

O resultado de ações como esta ficou palpável no último processo seletivo realizado pela OSB: dois jovens músicos oriundos de projetos sociais foram aprovados para ocupar vagas na orquestra e vão dividir estantes com alguns dos músicos mais destacados em atuação no país. Natural de Ouro Branco, o mineiro Giovanni Martins, de 21 anos, iniciou seus estudos de oboé aos 11 e já passou por vários projetos e orquestras jovens. Apontado como uma grande aposta no instrumento, é um dos mais de 2500 jovens já beneficiados pelas ações do Conexões Musicais. Referência quando o assunto é educação musical, o projeto El Sistema também emplacou um dos seus talentos no concurso: o flautista venezuelano Alexis Angulo foi aprovado e troca a Orquestra Sinfônica Simón Bolívar por uma vaga na OSB.

Outro grande destaque da seleção foi a escolha para a posição de spalla. Ficou com a vaga a carioca Priscila Rato, que encantou a banca julgadora com sua primorosa técnica e presença de palco. A aprovação de Priscila é motivo de emoção extra para a “Família OSB”, uma vez que a violinista já fez parte do grupo e agora retorna para ocupar o cargo mais importante na hierarquia orquestral. E ela não foi a única representante feminina a ingressar na OSB: A violinista paraibana Gabriela Queiroz, que também já foi membro da Orquestra Sinfônica Brasileira, está de volta. Completam o time de violinistas aprovados os jovens paulistas Lucas Álvares e Michael Machado.
Concertos para a Juventude

Em 1943, a Orquestra Sinfônica Brasileira subiu ao palco do Cine Teatro Rex para dar início a um dos projetos que fariam parte de seu DNA: Os Concertos para a Juventude. As apresentações de caráter didático com entrada a preços populares são sucesso de público desde então, cumprindo seu papel de ampliação de plateia e democratização do acesso à música de concerto. Em 2022, as apresentações terão lugar de destaque na programação, levando músicos da OSB, regentes e solistas convidados aos palcos da Sala Cecília Meireles, Cidade das Artes e Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Serão, no total, treze apresentações, com ingressos a R$10. As récitas contam com apresentação da atriz Suzana Nascimento.

A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA:

Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 81 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia.

Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura.

Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor e a NTS – Nova Transportadora do Sudeste, como patrocinadora master e a Brookfield como patrocinadora, além de um conjunto de copatrocinadores e apoiadores culturais e institucionais.

SOBRE ROBERTO TIBIRIÇÁ:

Roberto Tibiriçá recebeu orientações de Guiomar Novaes, Magda Tagliaferro, Dinorah de Carvalho, Nelson Freire e Gilberto Tinetti. Foi discípulo do maestro Eleazar de Carvalho, com quem teve a oportunidade de trabalhar durante 18 anos, depois de ter vencido o Concurso para Jovens Regentes da OSESP em duas edições seguidas. Ocupou o cargo de Regente Assistente no Teatro Nacional de S. Carlos (Lisboa/Portugal) e em 1994 tornou-se Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Sinfônica Brasileira. Entre 2000 e 2004 foi Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Petrobrás Sinfônica e, entre 2005 e 2011, Diretor Artístico da Sinfônica Heliópolis, do Instituto Baccarelli. Em 2010 assumiu como Regente Titular da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, onde permaneceu até 2013. Foi também Regente Titular e Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica de Campinas, da Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo e da Orquestra Sinfônica do SODRE (Montevidéu/Uruguai). No Rio de Janeiro, foi eleito pela crítica como o Músico do Ano de 1995 e recebeu, neste estado, o Prêmio Estácio de Sá, por seu trabalho à frente da Orquestra Sinfônica Brasileira.

Participou por duas vezes do Festival Martha Argerich, no Teatro Colón em Buenos Aires, a convite da própria artista em 2001 e 2004. Há alguns anos é convidado para o Festival Villa-Lobos, na Venezuela, regendo concertos com a Orquestra Simón Bolívar. Recebeu, em 2010 e 2011, o XIII e o XIV Prêmio Carlos Gomes como Melhor Regente Sinfônico, por seu trabalho com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e a Sinfônica Heliópolis. Recebeu ainda, em 2011, a Ordem do Ipiranga, a mais alta honraria do Estado de São Paulo, a Grande Medalha Presidente Juscelino Kubitschek, outorgada pelo Governo de Minas Gerais e o Prêmio Associação Paulista de Críticos de Artes – APCA – como Melhor Regente, por sua atuação na Sinfônica Heliópolis e na Orquestra Sinfônica de Minas Gerais.

Ocupa a Cadeira Nº 5 na Academia Brasileira de Música e é Membro Honorário da Academia Nacional de Música, no Rio de Janeiro. Em 2020, realizou, com a OSESP, a estreia mundial da ópera “Cartas Portuguesas”, do compositor brasileiro João Guilherme Ripper, e gravou para o selo NAXUS os Choros para Clarinete, Piano, Viola, Violoncelo e a peça Flor de Tremembé, de Camargo Guarnieri.

Saiba mais em www.osb.com.br

PROGRAMA (Concerto 14/5):
Carlos Gomes – “Abertura” da Ópera O Guarani
Heitor Villa-Lobos – Bachianas Brasileiras nº 4
Prelúdio (Introdução)
II.Coral (Canto do Sertão)
Ária (Cantiga)
Dança (Miudinho)
Piotr Ilitch Tchaikovsky – Sinfonia nº 5, Op. 64
Andante – Allegro con Anima
Andante Cantabile con Alcuna Licenza
Valse – Allegro Moderato
Finale. Andante maestoso – Allegro Vivace

PROGRAMA (Concerto para a Juventude 15/5):
Carlos Gomes – “Abertura” da Ópera O Guarani
Piotr Ilitch Tchaikovsky – Sinfonia nº 5, Op. 64
Andante – Allegro con Anima
Andante Cantabile con Alcuna Licenza
Valse – Allegro Moderato
Finale. Andante maestoso – Allegro Vivace

SERVIÇO:

OSB – Concerto Especial | Estreia de novos integrantes da OSB
Dia 14 de maio de 2022 (sábado), às 19h
Ingressos: R$ 70,00 (R$35,00 meia)

OSB – Concertos para a Juventude
Dia 15 de maio de 2022 (domingo), às 11h
Ingressos: R$ 10,00 (R$5,00 meia)

Local: Cidade das Artes | Grande Sala (Avenida das Américas, nº 5.300 – Barra da Tijuca, Rio de Janeiro)

Ingressos à venda na bilheteria da Cidade das Artes e no site Sympla