Firjan debate projetos estruturantes de energia e economia do mar com o Governo do Estado do Rio

0
286

A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) promoveu uma reunião entre os industriais e o secretário de Energia e Economia do Mar do Estado do Rio, Hugo Leal. Durante a reunião com a diretoria plena e representantes dos Conselhos Empresariais da federação de Petróleo e Gás, Infraestrutura e Energia Elétrica, foram apresentados os principais projetos para o desenvolvimento econômico do estado nas três grandes áreas. 

Presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira destacou que energia e economia do mar são agendas de protagonismo no estado. “A federação mapeou a existência de, ao menos, 45 projetos em petróleo, gás natural e novas energias a longo prazo. São cerca de 60 bilhões de dólares programados em projetos de exploração e produção até 2025 e 40 bilhões de dólares em projetos não sobrepostos de eólicas offshore, em águas fluminenses”, explicou Eduardo Eugenio, durante o encontro na Casa Firjan, em 24/1. 

O presidente em exercício da Firjan, Luiz Césio Caetano, ressaltou que a federação elaborou uma ‘Pauta Prioritária’ para o setor, derivada da agenda ‘Propostas Firjan para um Brasil 4.0’, formulada após ouvir mais de 600 lideranças empresariais fluminenses. “Os temas prioritários para a indústria são: hubs de energia de classe mundial com conceito porto indústria e conexão logística, geração distribuída de energia elétrica a partir da fonte solar, gás natural como potencial transformador econômico, eólicas offshore no horizonte energético, mercado de hidrogênio como agenda de futuro, indústria naval como vocação natural e mercado de petróleo como catalizador de desenvolvimento”, enumerou. 

Deputado federal, Hugo Leal assumiu a recriação da pasta estadual, com o objetivo de ampliar o seu escopo de atuação. O secretário destacou que o panorama energético fluminense é fundamental para o desenvolvimento econômico e disse ser fundamental a participação da Firjan nesse trabalho. 

“Não podemos abrir mão do petróleo e gás, nossos principais ativos. Mas não podemos perder as perspectivas das energias renováveis. Temos a energia solar, a eólica offshore, o biogás e biometano, a produção do hidrogênio e fertilizantes. Além disso, tem a economia do mar, com o setor naval. São temas que devem estar em sintonia com Brasília, onde são adotadas as legislações pertinentes”, disse o parlamentar. 

Presidente do Conselho Empresarial de Energia Elétrica da Firjan, Antonio Carlos Vilela exaltou o encontro, como o ponta pé inicial para o alinhamento dos objetivos e demandas dos interesses empresariais e a atuação do estado. “Por ser uma nova estrutura de governo e um novo secretário, creio que caminhamos para o alinhamento de um trabalho conjunto em prol do desenvolvimento do potencial energético do Rio”, ressaltou. 

Já o vice-presidente da federação Raul Sanson destacou a importância da nova secretaria, atuando no mercado de petróleo e gás, mas atenta às necessidades da transição energética com vocações na economia do mar, como a retomada dos estaleiros fluminenses que podem atender demandas de eólicas offshore. Também elogiou o fato de o secretário ser um parlamentar, conhecedor das regulamentações e ações legais que o mercado exige. “É uma parceria fundamental entre estado e federação,  que suporte técnico e posicionamento comum têm propósitos semelhantes no desenvolvimento econômico do estado”, acrescentou Sanson.