Firjan, Governo do Estado e Prefeitura do Rio promovem atração de investimentos e parcerias com empresas de Milão

0
229

Promover a atração de investimentos e aumentar a corrente de comércio entre o estado do Rio e a Itália, a partir parcerias em novos negócios com empresas da região da Lombardia, principal polo econômico e industrial do país, são o tema central da conferência “Rio de Janeiro of opportunities”, nesta quarta-feira (6/9) em Milão. O encontro é uma promoção de entidades empresariais e representantes de governos dos dois Estados. 

Pelo Rio, participam a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Governo do Estado, Prefeitura do Rio e Invest.Rio, a agência de investimentos municipal. Já pelo lado milanês, a Promos Italia, Câmara de Comércio de Milão e a Subsecretaria de Relações Internacionais da região da Lombardia. O evento ainda conta com o apoio institucional do Consulado-Geral do Brasil em Milão. 

Em 2022, de acordo com o Banco Central do Brasil (Bacen), a Itália foi a 17ª maior origem de investimentos diretos no Brasil, representando cerca de 1% do total ou US$ 6,8 bilhões. Já o Banco Central Italiano destaca que o Brasil foi o 14º maior destino de seus Investimentos Estrangeiros Diretos (IED). No período, houve uma variação positiva de 37% na aquisição e venda de imóveis em IED da Itália no Brasil, saltando de US$ 8,9 milhões para US$ 12,2 milhões. 

Porém, a participação italiana em Serviços no Brasil foi negativa em 37,5% de um ano para o outro – caindo de US$ 627,8 milhões para US$ 392,3 milhões. Ainda que menor, os investimentos italianos na Indústria brasileira também reduziram 2,8%. Dos US$ 218,8 milhões aplicados em 2021, houve redução para US$ 212,7 milhões no ano seguinte. Apesar da tendência, a Itália continua sendo um dos principais investidores da União Europeia no Brasil. 

É para recuperar esse terreno que a missão fluminense desembarca na Lombardia, esperando reverter a redução de investimentos italianos em solo brasileiro. Aos empresários locais, o grupo fluminense falará sobre o cenário econômico atual no Brasil, além do ambiente de negócios e oportunidades de investimentos no estado do Rio em Infraestrutura, Energia, Logística, Inovação e Indústria 4.0. 

A abertura do encontro, no Palazzo Giureconsulti, terá a participação do presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira; do vice-governador do Rio, Thiago Pampolha; do secretário de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura do Rio, Francisco Bulhões; e do CEO da Invest.Rio, Alexandre Vermeulen. O subsecretário de Relações Internacionais da Região da Lombardia, Raffaele Cattaneo; o diretor da Promos Italia e Câmara de Comércio de Milão, Andrea Bonalumi; e um representante da Confindustria/Assolombarda falam das expectativas italianas em relação ao Brasil.

No painel “Oportunidades, investimentos e parcerias no Rio de Janeiro”, o vice-presidente da Firjan, Luis Césio Caetano, abordará as possibilidades de negócios em Petróleo e Gás, Energia, Rodovias e Serviços. A apresentação conta com a participação de Francisco Bulhões e dos secretários de estado da Casa Civil, Nicola Miccione; de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços, Vinicius Farah; e de Energia e Economia do Mar, Hugo Leal. 

No segundo painel – “Investir no Rio” – falarão Giacomo Guarnera, da Promo Brasile-Italia; Bruno Amorim, da Pronto Marketing; e Roberta Werner, da Visit.Rio.

 

Balança comercial Brasil-Itália 2022-2021 

A Itália é apenas a 19ª parceira comercial com o Rio de Janeiro. Em 2022, o principal produto exportado para o país europeu foi óleo bruto de petróleo, US$ 233 milhões – equivalente a 86,7% da pauta exportadora. Ainda assim, um acréscimo de 46,8% em relação ao ano anterior, quando as vendas da commodity responderam por US$ 158,7 milhões ou 86,2% nas exportações do estado, muito por conta da valorização do óleo devido à guerra Rússia-Ucrânia. 

No entanto, as exportações fluminenses para a Itália tiveram um alento entre 2021 e 2022 em novos produtos. Laminados planos de ferro ou aço não ligado, folheados ou chapeados, ou revestidos, estanhados; e Laminados planos de ferro ou aço não ligado, revestidos de óxidos de cromo ou cromo, cresceram 768,9% e 480,5% respectivamente, apesar de os valores serem menores. O primeiro item de produtos passou de US$ 800 mil em 2021 para US$ 6,6 milhões, no ano seguinte. O segundo lote de produtos, pulou de US$ 2,6 milhões no ano anterior para US$ 15,2 milhões em 2022. 

Ainda que pequena em valores, a indústria fluminense também conseguiu se destacar na venda de trens de aterrissagem e suas partes para veículos aéreos, crescimento de 428,8% de um ano para outro, totalizando US$ 400 mil em 2022; e em borracha de acrilonitrila-butadieno em chapas, US$ 1,2 milhão (alta de 336,4% de 2021 para 2022). 

Já as importações fluminenses de produtos italianos, entre 2021 e 2022, foram para atender à indústria, com destaque para partes de turborreatores e turbopropulsores e doses de vacina contra a meningite. No ano passado, a Itália foi a 13ª maior fornecedora de produtos para o Estado do Rio. 

Em âmbito nacional, em 2022, a Itália foi a 15ª maior compradora de produtos brasileiros com destaque para café em grão não torrado e não descafeinado, pastas químicas de madeira, óleo bruto de petróleo, soja e milho em grão. Já a importação brasileira de produtos originários da Itália no ano passado foram os farmacêuticos, em especial vacinas para medicina humana, e motores diesel/semidiesel para veículos. No ano passado, a Itália foi a 7ª maior fornecedora de produtos para o Brasil.