“Uma Conversa com Spallas” é o destaque do Theatro Municipal Palco Livre

0
78

Três nomes, três histórias e muita experiência musical. Carlos Mendes, Ivan Scheinvar e Ricardo Amado. Exímios violinistas da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e spallas, profissionais essenciais para o bom funcionamento de um grupo sinfônico.

Quais as atribuições de um spalla? Quais os repertórios com os solos de spallas mais emblemáticos de uma orquestra, ópera e ballet? A relação entre o spalla e o maestro; o spalla é um chefe ou um líder? No Theatro Municipal Palco Livre da próxima terça-feira, 29 de setembro, será a vez de destacar uma conversa com spallas e explicar esta função tão importante numa orquestra. A live está marcada para às 15h, no Facebook do Theatro (https://www.facebook.com/theatro.municipal.3/).


Sobre Carlos Mendes

Iniciou seus estudos de música aos oito anos de idade no “Instituto Meninos Cantores de Petrópolis” (Canarinhos). Aos dez anos começou a estudar violino com o professor Carlos Eduardo Moreno nesta mesma instituição e já aos quatorze anos passou aos cuidados do mestre Paulo Bosisio. Aos vinte anos ingressou na UniRio (Universidade do Rio de Janeiro), onde tornou-se bacharel em violino na classe do seu já citado mestre. Dentre vários outros cursos de extensão em performance e didática do violino, destaca-se o convite como bolsista feito pela Académie Européenne de Musique de Tournon (França) por dois anos consecutivos para participar da Orchestre Philharmonique Rhodanien, isto nos anos de 1996, onde teve participação como spalla da orquestra, e também 1997. Ocupa o cargo de spalla da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro desde o ano de 2004, integrando ainda a Orquestra Petrobras Sinfônica, onde também vem assumindo importantes cargos, administrativos e artísticos (2008 a 2013 – Conselho Diretor e 2014 até 2019 – Direção Artística). Na música de câmara é integrante do Quarteto Bosisio, do Quarteto Atlas, com o qual apresentou-se em excursão pela Europa no ano de 2018, obtendo grande sucesso de público e de crítica, e ainda do Duo de Violinos Paulo Bosisio. Na área didática, atuou na coordenação das cordas da Fundação CSN, em Volta Redonda, tendo feito parte ainda do quadro de professores de importantes festivais, como, Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga (Juiz de Fora – MG) e Festival de Verão dos Canarinhos de Petrópolis (Petrópolis – RJ). Faz parte ainda do corpo fixo de júri do renomado Concurso de Cordas Paulo Bosisio, além de ter sido convidado como júri de bancas de concursos da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, da Orquestra Petrobras Sinfônica e do Teatro Colón, na Argentina. Como solista tem atuado à frente de diversas orquestras brasileiras, tais como: Orquestra Sinfônica da Bahia – BA, Orquestra Sinfônica do Espírito Santo – ES, Camerata Sesi – ES, Orquestra Petrobras Sinfônica-RJ, Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro-RJ.


Sobre Ivan Scheinvar

Nascido no Rio de Janeiro, Brasil, Ivan Scheinvar Tavares começou seus estudos quando tinha apenas quatro anos, passando, futuramente, a ter aulas com um dos maiores professores do país, Paulo Bosisio, com quem completou seu Bacharelado e Mestrado, pela UNIRIO. Ivan é spalla da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, além de ser membro do Quarteto Atlântico, vencedor do Concurso de Música de Câmara da UNIRIO e Menção Honrosa no Festival Villa Lobos, e violinista contratado pela Orquestra Petrobras Sinfônica. Foi premiado em duas competições nacionais no Brasil: 1º lugar no Concurso Nacional de Cordas Paulo Bosisio e Prêmio Revelação no Concurso Jovens Solistas da Filarmônica de Goiás. Recentemente, passou em 1º lugar no Concurso para ser membro da Orquestra Sinfônica Nacional e ganhou Menção Honrosa no Concurso Jovens Solistas da Filarmônica de Montevidéu.


Sobre Ricardo Amado

Ricardo Amado é Natural de Uberlândia MG, iniciou seus estudos com os professores Micheli Virno, Klemes César Pires e Jurandy Poty Maurício. Posteriormente graduou-se em Licenciatura em Música na UnB – Universidade de Brasília, e paralelamente, continuou seus estudos com o Prof. Nicolas Merat. A partir de 1987 foi aceito e é aluno do Prof. Paulo Bosisio, concluindo o Bacharelado com o Prof. Paulo Bosisio na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO. Em 1989, foi vencedor do Concurso Nacional de Piracicaba e ainda no mesmo ano, obteve o primeiro prêmio e a designação de “Melhor Intérprete de Música Brasileira”, no Concurso Nacional para Instrumentistas de Cordas de Juiz de Fora. Conquistou também o primeiro prêmio no concurso “W.A.Mozart”, realizado pela Orquestra de Câmara da USP, em 1991. Já se apresentou como solista de diversas orquestras, dentre elas, a Orquestra Sinfônica Brasileira e a Orquestra Sinfônica Nacional, Orquestra Filarmônica do Espírito Santo, Orquestra Experimental de Ouro Preto, Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Cláudio Santoro com os maestros : Isaac Karabtchevsky, Carlos Moreno, Felipe Prazeres, David Machado, Roberto Duarte, Nelson Nilo Hack, Sílvio Viegas, Rodrigo Toffolo, Sílvio Barbato, Helder Trefzger, Carlos Prazeres , dentre outros grandes maestros. É spalla da Orquestra Petrobras Sinfônica desde junho de 2013, onde foi aprovado em concurso público em 2011, também é spalla do Theatro Municipal do Rio de Janeiro desde 2002, vem desenvolvendo um trabalho na divulgação da música de câmara brasileira como a gravação da integral das sonatas de Villa-Lobos junto ao pianista Flávio Augusto lançada pela Academia Brasileira de Música, com o Trio Aquarius, juntos desde 1991 e também em turnê com o quarteto Atlas em julho de 2018 pelas salas de concerto da Itália e Áustria, sempre divulgando a música brasileira juntamente com outros grandes compositores.

 

Serviço:

Theatro Municipal Palco Livre, Vale e Petrobras convidam Carlos Mendes, Ivan Scheinvar e Ricardo Amado em “Uma Conversa com Spallas”

Data: 29 de setembro – terça-feira

Live às 15h

Facebook: (https://www.facebook.com/theatro.municipal.3/).

Patrocínio Ouro@valenobrasil e @petrobras